Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COVID-19

Isolamento cai drasticamente em véspera de Dia das Mães

Estado registrou apenas 38,7% de distanciamento, muito inferior aos 56,1% da semana passada
10/05/2020 13:58 - Daiany Albuquerque


 

Em meio ao aumento de casos da Covid-19, o novo coronavírus, Mato Grosso do Sul registrou um dos menores índices de distanciamento social desde que os primeiros casos da doença do Estado foram registrados. No sábado (9), véspera de Dia das Mães, o distanciamento foi de apenas 38,7%. 

Esse número, conforme o Governo do Estado, só não é menor que o registrado no dia 14 de março, quando os primeiros casos da Covid-19 foram registrados no Estado e antes da decretação de medidas para o distanciamento social.

Desde então, os sábados seguintes registraram adesão um pouco maior ao distanciamento social: 21 de março 51%, 28 de março 54%, 4 de abril 56,7%, 11 de abril 47,7%, 18 de abril 46,2%, 25 de abril 46,4% e 2 de maio 56,1%.

Essa queda vem justamente durante o aumento considerado exponencial no número de casos registrados em Mato Grosso do Sul, que neste domingo chegou a 362 confirmados, com 11 mortes pela doença.

Conforme o governo, Campo Grande registrou adesão de 38,4% no sábado, mantendo o mesmo patamar dos outros dias dessa semana. As regiões mais movimentadas da Capital foram: Nascente do Segredo com 24,4% de isolamento, Seminário que teve 25%, Jardim Tarumã com 25%, Maria Aparecida Pedrossian que chegou a 26% e Moreninha que teve 26,2%.

Nos municípios do interior a maior movimentação foi registrada em Bodoquena, que teve apenas 30,2% de distanciamento social, seguida de Juti com 32,6%, Rochedo 33%, Ivinhema 33,4% e Miranda 33,7%. 

 

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.