Cidades
CARNAVAL

Liga de escolas em Corumbá vai criar ‘passaporte da vacina’ para a passarela

Liesco divulgou que passará a exigir 100% de vacinação de quem for desfilar na cidade

Rodolfo César

29/11/2021 20:00

A Liga Independente das Escolas de Samba de Corumbá (Liesco) está realizando um trabalho de conscientização com relação à vacinação, mas ele será transformado em uma obrigatoriedade nos próximos dias. 

A medida exigente para garantir que qualquer turista que vá participar do desfile esteja vacinado deverá ser regra para garantir que o Carnaval em 2022 possa acontecer dentro de uma biossegurança contra a covid-19.

O município está com a festa confirmada para o próximo ano e as escolas de samba estão promovendo eventos para angariar recursos desde outubro.

As escolas de samba, inclusive, estão aos poucos divulgando os temas dos sambas-enredos de 2022. 

A Imperatriz Corumbaense informou neste final de semana que homenageará o deputado estadual Roberto Orro. Ele tinha base de trabalho em Aquidauana. A agremiação será a última a desfilar.

Neste mês, a Liesco ainda participou do 2º Congresso das Escolas de Samba, realizado em Vitória (ES), para alinhar o Carnaval da cidade com protocolos nacionais e divulgar a festa para outras cidades. 

Além disso, duas oficinas estão sendo realizadas para aprimorar os carnavalescos. Outros eventos de capacitação ocorreram em Corumbá e fora da Capital do Pantanal desde outubro.

De verba pública, cada agremiação receberá em torno de R$ 60 mil, porém as escolas têm um custo médio de R$ 150 mil para entrarem na passarela. 

O movimento da economia com o período de festa é estimado em R$ 14 milhões. O público previsto é de até 25 mil pessoas por dia de desfile.