Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ENFRENTAMENTO

Mais de 100 leitos serão reativados no Pênfigo e Regional para casos de coronavírus e dengue

Governo e Município firmaram acordo com ações de enfrentamento às doenças
12/03/2020 15:27 - Adriel Mattos, Glaucea Vaccari


 

Em meio a pandemia de coronavírus e a previsão de que os casos devem aumentar consideravelmente em Mato Grosso do Sul nos próximos 20 dias, as secretarias de Saúde estadual e municipal firmaram parceria para a ativação de 104 novos leitos em Campo Grande, como forma de ação preventiva de enfrentamento ao vírus do novo coronavírus e também da dengue. Acordo foi firmado nesta quinta-feira (12).

De acordo com o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, afirmou que o Governo e o Município estão preparados para o combate das doenças. “Estamos tomando medidas preventivas visando o atendimento ágil e eficiente à população”, disse.

Entre as medidas está a reativação e custeio, pelo Estado e Município, de 70 leitos no Hospital do Pênfigo, sendo 60 de enfermaria e 10 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Estes leitos serão usados para internação clínica de casos de dengue e para casos de coronavírus que venham a necessitar de isolamento.

No Hospital Regional serão ativados mais 34 leitos, sendo 25 semi-intensivo e nove de UTI.

Conforme o acordo, o governo irá realocar, de forma emergencial, servidores de saúde para atendimento no Regional, enquanto o Município irá fornecer recursos humanos para possibilitar o funcionamento dos leitos.

Além disso, segundo Resende, o governador Reinaldo Azambuja garantiu o aporte de recursos para a locação de equipamentos destinados à implantação dos leitos e para a contratação de pessoal.

Até agora nenhum caso do Covid-19 foi registrado em Mato Grosso do Sul, entretanto, a secretaria de Saúde investiga sete casos, de acordo com o último boletim epidemiológico, divulgado na quarta-feira (11).

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.