Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ENTREVISTA

Mandetta cita Campo Grande como bom exemplo no combate à pandemia

Ex-ministro voltou a reforçar importância do isolamento e disse ver população sair de casa apostando em “fator sobrenatural” contra o novo coronavírus
07/05/2020 11:34 - Adriel Mattos


 

Em entrevista à CNN Brasil, o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), avaliou que Campo Grande, outras capitais e alguns estados tomaram medidas importantes contra a pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. O sul-mato-grossense foi demitido pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, há 21 dias.

“Curitiba [PR], por exemplo, é uma cidade que tem um sistema de saúde forte há muito tempo e agora com a Covid-19 está indo relativamente bem. O Rio Grande do Sul fez um plano e exportamos esse modelo Brasil afora. Temos a minha Campo Grande, que tem baixo número de casos e expandiu o número de leitos”, avaliou.

O ex-ministro destacou que seu plano de combate à pandemia priorizava a defesa da vida, a ciência e a defesa do Sistema Único de Saúde. “Esse número de mortes não é só um número, tem pessoas ali. Assim como o SUS não é só a emergência lotada, ele pactua diferentes políticas para diferentes regiões”, explicou.

Mandetta alertou que cidades e estados devem ficar atentos aos dados. “Cada local tem uma velocidade de transmissão e capacidade de resposta. Já temos alguns com 90%, 95% de ocupação de leitos. Temos limitações, como enfermeiros adoecendo, os equipamentos são insuficientes”, pontuou.

Ele voltou a reforçar a necessidade de seguir as recomendações das autoridades. “Quem dita essa velocidade de de transmissão é a sociedade, aderindo às recomendações, esse é um caminho. O outro é ver essa velocidade aumentando e aumentando e deixar o barco andar sem alertar. Vejo muita movimentação urbana apostando em algum fator sobrenatural para que o vírus não siga sua trajetória”, ressaltou.

 

Felpuda


Nos bastidores, há quem garanta que a única salvação, de quem está com a corda no pescoço, é ele aceitar ser candidato a vice-prefeito em chapa de novato no partido. Vale dizer que isso nunca teria passado por sua cabeça, uma vez que foi eleito com, digamos, “caminhão de votos”. Se aceitar a imposição, pisaria na tábua de salvação; se recusar, poderá perder o mandato. Ah, o poder!