Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Manifestação do dia 15 pode ser cancelada pelo avanço do coronavírus

Organizadores da manifestação pró-governo avaliam riscos de se manter o evento
12/03/2020 12:10 - Estadão Conteúdo


 

Os organizadores da manifestação do próximo domingo, 15, pró-governo estão avaliando os riscos de se manter o evento. "Temos de acompanhar a questão da saúde em primeiro lugar. Precisamos ter responsabilidade", afirmou a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), uma das organizadoras do protesto.

Bia Kicis se aconselhou com o ministro da Saúde na manhã desta quinta-feira, 12, e disse que vai procurar outras autoridades para avaliar os riscos de manter a manifestação no domingo. "Conversei com o ministro, e a previsão é que, na próxima semana, aumente muito o coronavírus no Brasil. Diante disso temos de tomar muito cuidado", afirmou.

"Embora muitas pessoas estejam pedindo para manter, o mais importante agora é ter responsabilidade. Queremos fazer tudo com muito cuidado", disse.

A manifestação chegou a ser convocada pelo presidente Jair Bolsonaro e também pela Secretaria de Comunicação do governo publicamente.

Em vídeo publicado pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no Twitter, o presidente afirmou que a manifestação é "espontânea" e "pró-Brasil", e não contra o Congresso ou o Judiciário. "Participem e cobrem de todos nós o melhor para todo o Brasil", declarou em evento em Boa Vista, Roraima, antes de viajar para Miami, nos Estados Unidos.

O presidente já havia chamado, por WhatsApp, aliados para participarem do ato, o que resultou em uma semana de crise entre Legislativo e Executivo.

 

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!