Cidades

Cidades

Março é o mês da angústia dos líderes políticos de MS

Março é o mês da angústia dos líderes políticos de MS

Redação

28/02/2010 - 05h26
Continue lendo...

Se para a maioria da população o mês de março é conhecido como mês das águas, para as lideranças políticas estaduais, este março será de angústia. A indefinição dos principais líderes partidários é a responsável única por esse clima de apreensão: o governador André Puccinelli (PMDB) apoiará a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, candidata oficial do PT à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ou estará ao lado do governador de São Paulo, que seria o candidato tucano na disputa presidencial? De Brasília, o chefe do Executivo estadual recebeu um recado: se der palanque a qualquer opositor a Dilma, tanto ela quanto o presidente Lula estarão quantas vezes forem necessárias no palanque do ex-governador José Orcírio dos Santos, do Partido dos Trabalhadores. A advertência, supostamente em tom “cordial”, foi trazida pelo prefeito Nelsinho Trad quando de sua viagem a Três Lagoas, no avião presidencial. E foi feita de forma direta pelo presidente Lula: “avisa lá que, se necessário, eu vou. Para o palanque e em campanha de chão”. Em consequência, os peemedebistas angustiam-se diante da possibilidade de ter o presidente em campanha, pessoalmente, contra Puccinelli e a favor de Orcírio. Se o apoio direto do presidente ao candidato petista causará danos sérios ou não é o que se pretende averiguar em pesquisa com eleitores que foi iniciada nesta semana. O resultado é que deverá dar o rumo tanto ao governador quanto ao PMDB de Mato Grosso do Sul. Entre os prefeitos que apoiam Puccinel li existe, unamemente, clima de inquietação. Se a maioria quer a permanência do atual governador, também não há intenção de ficar contra Dilma Rousseff, muito menos contra o presidente. Como maior figura neste posicionamento, surge o prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB), o primeiro a empunhar a bandeira da ministra e do presidente. André com Serra e Nelsinho com Dilma. Este poderá ser o pior cenário não só para a maioria dos prefeitos, mas igualmente para o PMDB e seus atuais aliados, o Democratas, o PSDB e o PPS. Um palanque para Dilma? Ou dois palanques? Isso forçaria os tucanos a lançar a senadora Marisa Serrano ao Governo do Estado, complicando ainda mais o atual quadro de indefinições angustiantes e prolongadas. O governador vai avaliar, por meio de pesquisa, quais os riscos à sua reeleição tendo o presidente Lula na campanha de José Orcírio. Ele também pretende analisar o tamanho do prejuízo eleitoral que pode sofrer se fizer aliança com Dilma, porque terá de en frentar Marisa Serrano na sucessão estadual. Com a chegada de março, aumenta a angústia dos líderes políticos. André está entre a cruz e a espada, como disse Nelsinho Trad. Os tucanos estão também preocupados com a indefinição de José Serra de concorrer à eleição presidencial. O PT ainda não sabe se poderá contar com o PTB e PSB em seu palanque. Outros partidos vivem o mesmo dilema.

Cidades

De festas julinas a execução de obras, quais ruas serão interditadas neste fim de semana

Condutores devem redobrar atenção e planejar rotas alternativas

20/07/2024 16h00

De festas julinas a execução de obras, quais ruas serão interditadas neste fim de semana

De festas julinas a execução de obras, quais ruas serão interditadas neste fim de semana Divulgação: Prefeitura de Campo Grande

Continue Lendo...

Em mês de festas julinas e outros eventos na Capital, a Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) informou que algumas ruas serão interditadas a partir de hoje (20), até domingo (22).

A Agetran também orienta condutores e pedestres, para que haja atenção redobrada nos locais de interdição e possam planejar rotas alternativas. 

Confira as interdições:

  • Serviço de Reparo

Local: Rua Santa Adélia entre Rua Brigadeiro Tobias até a Avenida Ernesto Geisel (meia pista)

Data: 16 a 31 de julho         

Horário: 6h às 17h

  • Execução de obra e substituição da rede de água 

Local: Rua 15 de novembro entre as ruas 25 de dezembro e José Antônio

           Av. João Pedro de Souza entre a Rua 14 de julho e Avenida Calógeras

           Rua Américo Carlos da Costa entre as avenidas Costa e Silva e Fábio Zahran

           Rua Santa Adélia entre Rua Brigadeiro Tobias e Avenida Presidente Ernesto Geisel

Data: 19 a 31 de julho       

Horário: Integral

  • Festa julina

Local: Rua Cecílio Alves Correia, 195 entre as ruas Cajazeira e Angelina Chiesa 

Data: 19 de julho (sexta-feira)                       

Horário: 18h às 23h59

  • Inauguração de agência

Local: Rua 15 de novembro entre as ruas 13 de maio e 14 de julho (faixa estacionamento)

Data: 19 de julho (sexta-feira)             

Horário: 19h às 22h

  • Festa Julina

Local: Rua Bongiavane, entre as ruas Lírio do Campo e Alterosa

Data: 19 de julho (sexta-feira)                   

Horário: 17h às 22h

  • Festa Julina

Local: Rua Martinez entre Tv. Francisco Bucker e Rua Abdom Bunazar

Data: 19 e 20 de julho (sexta e sábado)          

Horário: 18h às 23h

  • Festa Caipira

Local: Avenida Agripino Grieco entre as ruas Viriato Corrêa Waldir Adri

Data: 20 de julho (sábado)                        

Horário: 08h às 23h

  • Festa Julina

Local: Rua Lourenço da Veiga entre as ruas João Paulo Ribeiro e Capanema

Data: 20 de julho (sábado)                     

Horário: 16h às 23h30

  • Festa Julina

Local: Rua Pau D´Alho N° 95, entre Avenida Presidente Vargas e Rua Santa Clara

Data: 20 de julho (sábado)                     

Horário: 17h às 23h

  • Festa Julina

Local: Rua Recreio entre as ruas Santa Bárbara e Inaja

Data: 20 de julho (sábado)                   

Horário: 12h às 23h59

  • Festa Julina

Local: Rua das Perdizes entre as ruas Urupês e Pinhal

Data: 20 de julho (sábado)                   

Horário: 16h às 23h

  • Festa Julina

Local: Rua Madre Cristina entre as ruas Luz Del Fuego e Florbela Espanca

Data: 20 de julho (sábado)        

Horário: 15h às 21h

  • Festa Julina

Local: Rua Dulcinópolis entre Avenida Pôr Do Sol e Rua Mônaco

Data: 20 de julho     

Horário: 16h às 23h

  • Festa Julina

Local: Rua Xavier de Toledo entre Avenida Presidente Ernesto Geisel e Rua Iporã

Data: 20 de julho (sábado)                   

Horário: 12h às 22h

  • Evento religioso

Local: Rua Beira Rio, 424, entre Rua Manoel Augusto Brito e Avenida Prefeito Lúdio Coelho

Data: 20 de julho (sábado)                 

Horário: 12h às 20h

  • Festa Julina

Local: Rua Dr. Jair Garcia entre Rua Alberto Torres e Avenida Duque De Caxias

Data: 20 de julho              

Horário: 18h às 23h59

  • Festa Julina

Local: R. Agronômica entre as ruas Professor Hilário Rocha e Paraisópolis

Data: 20 de julho (sábado)            

Horário: 15h às 22h

  • Festa Julina

Local: Rua José Bonifácio entre as ruas Dom Pedro II e Benjamin Constant

Data: 20 de julho (sábado)            

Horário: 08h às 23h

  • Festa Julina

Local: Rua Madre Cristina entre as ruas Luz del Fuego e Florbela Espanca

Data: 20 de julho (sábado)          

Horário: 15h às 21h

  • Festa Julina 

Local: Rua Marie entre as ruas Nhamundá e Jauaperi  

Data: 20 de julho (sábado)

Horário: 16h às 23h59

  • 1° Copa Terrinha De Futebol Amador 

Local: Rua Américo Brasiliense entre as ruas Yokohama e Miranda

Data: 20 e 27 de julho          

Horário: 12h às 20h

  • Festa Julina 

Local: Rua Barbacena entre as ruas Piraputanga e Indianápolis

Data: 21 e 28 de julho        

Horário: 8h às 15h

 

INFLUENZA

Dois óbitos por gripe são confirmados nesta semana em MS

Boletim epidemiológico atualizado informa que a uma das vítimas é um idoso de Três Lagoas e a outra não identificada; no ano, o estado acumula 67 óbitos

20/07/2024 13h45

Mato Grosso do Sul chega aos 67 mortos por gripe em 2024

Mato Grosso do Sul chega aos 67 mortos por gripe em 2024 Bruno Rezende / Portal MS

Continue Lendo...

Boletim epidemiológico atualizado nesta sexta-feira (19) divulgou que mais dois óbitos foram confirmados em Mato Grosso do Sul por Influenza. Em 2024, o estado já acumula 67 mortes por gripe.

Segundo o informativo, apenas uma das mortes foi identificada, sendo ela um idoso de 87 anos em Três Lagoas, vítima de H3N2, tendo comorbidades como doença cardiovascular crônica, imunodeficiência / imunodepressão. Das 67 mortes gerais pela doença no estado, 13 foram por H1N1, 46 por H3N2 e 8 não foram subtipados. 

As maiores vítimas seguem sendo do sexo feminino, responsáveis por 56,7% dos óbitos, ou seja, 38, enquanto 29 do sexo masculino morreram pela doença, cerca de 43,3%. Acerca da faixa etária, a população com mais de 80 anos representa 36,4% (24) das mortes, a maior entre as idades, seguido por 70 a 79 anos, com 12 mortes, e 60 a 69 anos, com 11.

Os casos confirmados e notificados não registraram nem aumento e nem queda, em comparação ao último boletim epidemiológico. Ou seja, os casos estão estagnados em 559 confirmados (127 H1N1, 336 H3N2 e 98 não subtipado), além de 4.570 notificações. Dentre as cidades com a maior incidência de hospitalizados pela doença estão Campo Grande (com 262 confirmações), Dourados (com 39) e Ponta Porã (com 32).

Além disso, as crianças de 1 a 9 anos são as mais afetadas, representando 20,6% das internações, ou seja, 115 dos 559 hospitalizados. São seguidos de perto pelos idosos com mais de 80 anos (15,9% - 89 hospitalizados) e aqueles de 60 a 69 anos (13,2% - 74 hospitalizados). O sexo feminino também é o mais atingido, com 54,6% das internações.

Sobre a imunização, as cidades entre os destaques positivos são Vicentina, com 74% da cobertura vacinal, Novo Horizonte do Sul, com 69,6%, e Jateí, com 67,6%. Do outro lado, Japorã, com 26,1%, Corguinho, com 24,4%, e Aral Moreira, com apenas 21%, são os destaques negativos na cobertura vacinal.

“A vacinação contra a influenza é uma das medidas de prevenção mais eficazes para proteger contra essa doença e, principalmente, contra a evolução para complicações e óbitos. A vacinação também contribui para a redução da circulação viral na população, protegendo especialmente os indivíduos que apresentam fatores ou condições de risco”, diz o boletim divulgado pela Ses.

Alta na mortalidade infantil pela doença

A mortalidade por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em crianças pequenas ainda está alta devido à grande circulação do vírus sincicial respiratório (VSR). A análise é do boletim InfoGripe, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado no dia 11 de maio.

O documento destaca que a mortalidade da SRAG nas últimas oito semanas foi semelhante na faixa infantil de zero a dois anos e em idosos. No entanto, na população idosa, se destacam as mortes por SRAG associadas ao vírus da gripe, à influenza A e à covid-19. 

Assine o Correio do Estado

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).