Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

AQUISIÇÕES

Município investe R$ 6,1 milhões em testes e máscaras para profissionais

Contratos foram fechados em caráter emergencial, com dispensa de licitação
23/04/2020 17:15 - Adriel Mattos, Súzan Benites


Publicados nesta quinta-feira (23) no Diário Oficial de Campo Grande (Diogrande), contratos que preveem a compra de máscaras e testes pela prefeitura da Capital. No total os contratos chegam a R$ 6,1 milhões em compras emergenciais, com a dispensa de licitação.

De acordo com a assessoria da Secretaria de Saúde (Sesau), a compra dos materiais é para atender os profissionais de saúde do município. Conforme o documento são R$ 999 mil destinados a compra de testes. Enquanto para as máscaras foram destinados 5,166 milhões.

A compra de máscaras foi dividida em dois contratos, o primeiro no valor de R$ 2,566 milhões com a empresa Pacotão Comércio e Produtos de Limpeza. O segundo contrato para a aquisição das máscaras é no valor de R$ 2,600 milhões com a empresa Cirúrgica Paraná Distribuidora. 

Conforme informações da Sesau, os equipamentos de proteção individual estão divididos em máscaras cirúrgicas e do tipo N95. A pasta não soube informar o quantitativo de máscaras. No documento consta que o prazo contratual é de 30 dias.

Também em caráter emergencial, com dispensa de licitação, a prefeitura vai investir R$ 999,992 na compra dos testes rápidos para detecção qualitativa de anticorpos IgG e IgM anti Covid-19 em sangue total, soro ou plasma. O contrato foi firmado com a empresa Diagnolab Laboratórios, e de acordo com o diário oficial a entrega deve ser imediata.

A secretaria informou ao Correio do Estado que os exames adquiridos serão utilizados em profissionais da saúde do município. “A testagem na população ainda está sendo avaliada”, informou a assessoria de imprensa da pasta. 

Felpuda


Ex-cabecinha coroada anda dizendo por aí ser o responsável por vários projetos para Campo Grande, executados posteriormente por sucessor. 

Ao fim de seus comentários, faz alerta para que o eleitor analise atentamente de como surgiram tais obras e arremata afirmando que não foi “como pó mágico de alguma boa fada madrinha. 

Houve muito suor nos corredores de Brasília”. Então, tá!...