Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Com obrigatoriedade, prefeito garante que máscaras gratuitas serão entregues em terminais

Prefeitura já comprou unidades, mas Trad pediu doações de empresários
30/04/2020 18:12 - Fábio Oruê


 

Decreto publicado nesta quinta-feira (30) tornou obrigatório o uso de máscaras dentro dos veículos do transporte coletivo e para dar suporte à população, o prefeito Marcos Trad (PSD) garantiu que o Executivo Municipal irá distribuir gratuitamente máscaras nos terminais de ônibus da Capital. 

“Dentro do transporte coletivo foi uma solicitação feita por aqueles cidadãos e cidadãs conscientes da gravidade e da letalidade da Covid-19 estão pedindo à prefeitura: ‘Prefeito, por favor, pelo menos dentro do transporte coletivo peça para as pessoas usarem as máscaras”, disse Trad hoje em transmissão ao vivo.

Prefeito também disse que já fez as compras de máscaras que estão sendo confeccionadas e quando estiverem prontas serão distribuídos. Ele pediu que empresários façam doações do Equipamento de Proteção Individual (EPI) para ajudar o município neste período de pandemia. 

Trad assinou decreto oficializando o uso obrigatório de máscaras e a permissão – ainda que limitada – de passageiros em pé no transporte coletivo. O texto foi publicado na edição desta quinta-feira do Diário Oficial da Capital (Diogrande).

Assim, os usuários do serviço operado do Consórcio Guaicurus só podem embarcar se estiverem usando máscaras descartáveis, reutilizáveis ou caseiras. Já a proibição de viajar em pé foi revogada.

Nos micro-ônibus, apenas três pessoas podem permanecer em pé. Em veículos classificados como leves ou médios, só cinco passageiros viajam em pé. Já nos ônibus alongados, podem permanecer em pé sete pessoas.

Ônibus com climatizador ou ar-condicionado devem rodar com o aparelho no modo renovável. Anunciada na terça-feira (28) pelo prefeito, a mudança passa a valer a partir da próxima segunda-feira (04).

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.