Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ESCOLAS PARTICULARES

Proposta para redução de mensalidades poderá ser definida semana que vem

Mesmo com duas reuniões entidades ainda não chegaram em um acordo
17/04/2020 11:00 - Bruna Aquino


Ficou remarcado para a semana que vem, dia 22 de abril, mais uma reunião entre o Procon/MS, Ministério Público (MP) e representantes das escolas particulares para definir quais serão as estratégias como redução das mensalidades diante da suspensão de aulas presenciais por conta da pandemia do novo Coronavírus em Mato Grosso do Sul.

A primeira reunião foi motivada pelo aumento recente de reclamações no Procon-MS por conta das mensalidades nas escolas que estão desde março sem aulas presenciais, por determinação da Prefeitura de Campo Grande e também do Governo do Estado. A previsão é de que as aulas só sejam retomadas em maio, porém, ainda pode haver prorrogação desse prazo.

Segundo o Ministério Público Estadual, nesta segunda reunião realizada nesta semana foram debatidas novamente estratégias para se chegar a um acordo, tendo sido abordadas as dificuldades a inadimplência e redução das mensalidades escolares, o emprego dos trabalhadores da educação, plano pedagógico, além da necessidade de manterem os pais informados sobre a nova logística das aulas.

Segundo o superintendente do Procon/MS, Reginaldo Salomão, itens mencionados na reunião são extremamente importantes para ajudar tanto os pais mas também não dar prejuízo às escolas a ponto de demitir professores. São ações financeiras que serão analisadas pelas escolas. “Além da redução nas mensalidades, é o cancelamento no juros e multas de todos os alunos, em especial para crianças até 3 anos, além abatimento na mensalidade do valor da alimentação”, disse.

 

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.