Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CLIMA

Mesmo com chuva, calor deve continuar durante a semana em Campo Grande

Previsão indica que as temperaturas permanecerão altas e Inmet alerta para risco à saúde
07/10/2020 10:00 - Naiane Mesquita


Apesar da chuva que ocorreu em Campo Grande na tarde desta terça-feira (6), o calor deve continuar durante a semana no Estado.

Segundo as estimativas do Instituto Nacional de Metereologia (Inmet), a temperatura máxima prevista para hoje é de 41 °C, enquanto a mínima fica em torno de 26°C. 

A umidade continua baixa, e a previsão indica uma oscilação entre 60% e 15%. Já no dia 8 de outubro, o calor pode ser ainda mais intenso, com máxima de 43°C e mínima de 27°C. Neste dia, a umidade deve seguir a sua tendência de queda, com mínima de 10%.

Em Corumbá, uma das cidades mais atingidas pelas queimadas no Pantanal, a temperatura máxima fica na casa dos 47°C, enquanto a mínima não ultrapassa os 28°C. 

Quem também deve manter o ritmo é Água Clara. A cidade, que foi eleita a mais quente do País por dois dias seguidos, continua com previsão de máxima para 45°C e mínima de 29°C.

Chuva

A chuva em Campo Grande ontem colocou um ponto final em 15 dias de estiagem. 

De acordo com a meteorologista do Cemtec (Centro de Monitoramento do Tempo e Clima de Mato Grosso do Sul), Franciane Rodrigues, pancadas de chuva devem ocorrer durante a semana.

A surpresa de ontem contrariou até dados do Instituto Nacional de Meteorologia, que previu chuva para Campo Grande a partir de sexta-feira, dia 9. A última vez que a Capital assistiu aos pingos foi em 22 de setembro.

 
 

Mesmo que 15 dias não seja um período significativo para a estiagem, a sensação de maior secura e calor se dá pelas queimadas no Pantanal. “As partículas presentes na fumaça são absorvedoras de radiação solar, assim, elevam ainda mais as temperaturas”, explica Franciane.

De acordo com o médico pediatra, alergista e imunologista Leandro Silva de Brito, o calor extremo pode causar diversos problemas, como perda de apetite, desidratação e quedas de pressão. 

“O tempo seco também pode causar problemas na pele, que são muito comuns nessa época do ano, devido à falta de hidratação da pele, principal órgão do corpo humano. Podem ocorrer rachaduras, lesões e infecções nessas lesões”, ressalta.

Queimadas em MS

O calor e o tempo seco ajudam o fogo a se espalhar nas áreas atingidas, tanto do Pantanal quanto nos municípios do Estado. 

De acordo com a atualização do Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais do Departamento de Meteorologia da UFRJ, no Pantanal de MS, o fogo consumiu mais 409 mil hectares na última semana.

Dados registrados até sábado (3) indicam que nesse ano 26% do bioma foi atingido pelo fogo, o que corresponde a 3,977 milhões de hectares queimados.

Ainda segundo o levantamento, desse total, 2,160 milhões de área ficam no estado de Mato Grosso, enquanto 1,817 milhões de hectares são de Mato Grosso do Sul, região mais afetada na última semana.

 

Felpuda


Candidato a vereador caiu em desgraça, pelo menos em um dos bairros de Campo Grande, ao promover comício em ginásio de esporte, com direito a ônibus lotados e espoucar de muitos fogos de artifício.

Aí dito-cujo foi alvo de muitas críticas, tanto pela zoeira causada, como por ter mandado às favas quaisquer cuidados na prevenção da Covid-19, ao promover grande aglomeração. Irresponsabilidade é pouco, hein?!