Clique aqui e veja as últimas notícias!

SAÚDE MENTAL

Mesmo com pandemia, número de suicídios diminui em Mato Grosso do Sul

Especialistas afirmam que pessoas procuraram mais ajuda, resultando na queda de 30% dos casos
28/12/2020 08:32 - Ana Karla Flores


Mesmo com o isolamento social em razão da pandemia de Covid-19, Mato Grosso do Sul teve queda de 30,8% no número de suicídios este ano, em comparação com 2019. 

Segundo especialistas, a redução ocorreu em função da busca das pessoas em cuidar da saúde mental em um período que pode aumentar os fatores de risco para suicídio, com aumento de angústia, ansiedade e depressão.

Últimas notícias

De acordo com dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES), o Estado registrou 182 mortes decorrentes de suicídios, uma queda de 81 casos em comparação com 2019, quando foram notificadas 263 mortes e 3.370 tentativas de suicídio.

Campo Grande é a cidade com maior número de suicídios no Estado: registrou 92 mortes em 2019 e 55 mortes em 2020. O município com o segundo maior número de mortes é Dourados, que notificou 23 suicídios em 2019 e 10 neste ano.  

Segundo a psicóloga Izabelli Coleone, durante a pandemia, as pessoas buscam mais ajuda para cuidar da saúde mental, pois ficam mais tempo sem contato social. Isso resultou na queda nos números de suicídio neste ano. 

“A demanda na pandemia e o conhecimento da terapia por meio remoto e psiquiatras com consultas on-line fez com que o sujeito lidasse mais com seus próprios preconceitos. A ideia de ter mais percepção de si e o que se sente estando sozinho faz com que haja um desejo de se escutar e se cuidar”.

Coleone explica que a pandemia cobrou um autoconhecimento diante da privação do convívio social e das aglomerações, fazendo com que as pessoas se encontrassem sozinhas ou em isolamento com pessoas que possuem dificuldades de convivência. 

“A pandemia nos cobrou reconhecer que a nossa saúde emocional e mental fala. Nosso inconsciente trabalha diante das nossas vivências diárias”.

 
 

“Não podemos culpabilizar a pandemia, mas ela permitiu o ser humano sentir suas emoções e muitas vezes não saber lidar com isso. Por isso o alto índice de pessoas diagnosticadas com depressão, levando algumas pessoas a encontrarem uma maneira de acabar com o sofrer de maneira física, necessariamente não de forma consciente”, complementa.

Dados do boletim da Coordenadoria de Estatísticas Vitais (Cevital) da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) indicam que, em 2019, a morte por suicídio teve um aumento de 102% em comparação com 2010. Além das 92 mortes, houve 1.621 tentativas na Capital.  

O suicídio é a segunda causa de mortes violentas no município, com 18%, superada apenas pelos acidentes de trânsito. A faixa etária com maior índice de casos é de 20 a 39 anos, com 47%, seguida de pessoas de 40 a 59 anos, com 25% do total de mortes, e pessoas com 60 anos ou mais, que representam 16%. 

Crianças de 10 a 19 anos totalizaram 12% dos óbitos por suicídio. Embora 77% das vítimas sejam do sexo masculino, a maioria das tentativas foram registradas entre mulheres, 76%.

Sinais de alerta

De acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), o suicídio é precedido por sinais de alerta verbais ou comportamentais. Algumas falas podem ser sobre querer morrer, sentir grande culpa ou vergonha ou se sentir um fardo para os outros.  

“Outros sinais importantes são sensação de vazio, desesperança, aprisionamento ou falta de razão para viver; sentir-se extremamente triste, ansioso, agitado ou cheio de raiva; ou com dor insuportável, seja emocional ou física”, alerta a Organização em boletim.

Algumas mudanças comportamentais que podem ser sinais para um possível suicídio são: fazer um plano ou pesquisar maneiras de morrer; afastar-se de amigos; dizer adeus, distribuir itens importante ou fazer testamentos; fazer coisas muito arriscadas; ter mudanças extremas de humor; comer ou dormir muito ou pouco; e usar álcool e drogas com mais frequência.

A psicóloga detalha que não é possível saber os motivos concretos que uma pessoa tem para cometer suicídio, mas é sempre importante ter uma rede de apoio que possa observar comportamentos adversos e incentivar o cuidado. 

“Podemos levar muito em consideração o fato de não se autoconhecer, saber suas respectivas dores, angústias, medos e receios em relação à sua própria vida”.

Assine o Correio do Estado