Cidades

Medo

Microcefalia associada
ao vírus zika preocupa gestantes em vários estados

Microcefalia associada
ao vírus zika preocupa gestantes em vários estados

AGÊNCIA BRASIL

12/12/2015 - 22h00
Continue lendo...

“Não saio de casa se não for para trabalhar. Estamos prisioneiras mesmo, porque o medo é muito grande aqui. Abri mão de tudo”, relata a policial militar pernambucana Monique Cordeiro, 27 anos, grávida de 11 semanas. Ela mora no município de Arcoverde, no sertão de Pernambuco, estado que registra o maior número de casos de microcefalia associado ao vírus Zika. Dos mais de 1,7 mil casos suspeitos, cerca de 800 são no estado. “Já tive crise de nervos, de achar que estava pintada [com manchas], sem estar. Está sendo muito difícil e a minha cidade tem muita gente doente [com sintomas de Zika]”, afirmou Monique.

Desde o fim de novembro, quando o Ministério da Saúde confirmou a relação do vírus com o aumento dos casos de malformação congênita, especialmente na Região Nordeste, Monique e grávidas de vários estados têm encarado uma gestação cheia de temores. “É meu primeiro filho e já tive um aborto há três anos, por isso é ainda maior a preocupação”, declarou. Ela lamenta que não esteja aproveitando, como gostaria, a gravidez. “São muitas notícias erradas, desencontradas, que deixam a gente com dúvidas e em pânico”, lamentou.

O uso constante de repelente, de roupas que encobrem todo o corpo, a instalação de telas contra mosquitos e a vistoria de criadouros da dengue são algumas das práticas comuns entre as mulheres entrevistadas pela Agência Brasil. No Ceará, estado que registra 40 casos suspeitos de microcefalia associada ao Zika, a analista de recursos humanos Fernanda Mendes, 34 anos, que está grávida há 17 semanas, adotou como medida principal o uso do repelente. "Comecei a ficar mais ansiosa para saber como me prevenir, buscar informações, mas também procuro não enlouquecer”, relatou.

Mas as dúvidas em relação ao uso do repelente também intrigam as gestantes. O médico Marcelo Burlá, presidente da Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Rio de Janeiro, informa que não existem estudos sobre o uso intenso e prolongado desse produto em grávidas. Por outro lado, também não há relatos de efeitos adversos em relação aos agentes químicos dos repelentes habituais. A substância que tem sido mais recomendada pelos médicos é a icaridina, cujo nível de concentração permite proteção mais prolongada. De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o uso é seguro para mulheres grávidas.

Burlá orienta que o ideal é evitar o mosquito no ambiente em que se permanece a maior parte do dia, para que não seja necessário passar constantemente o repelente. “Quando sair para a rua, usar repelente e tentar, de maneira razoável, cobrir a superfície corporal o máximo possível”, sugeriu. A grande procura por repelentes fez com que a demanda no laboratório Osler, que produz a marca com icaridina no Brasil, aumentasse mais de 1000%, informou Paulo Guerra, diretor-geral da empresa. “Tínhamos a substância em estoque, mas fizemos adaptações. Como o produto é importado e trazíamos de navio, agora estamos trazendo semanalmente de avião”, acrescentou.

Apesar disso, algumas farmácias têm adotado estratégias para garantir a distribuição do produto, como lista de espera e limite de compra por cliente. “Estava procurando o Exposis, que todo mundo fala que é o que tem maior tempo de duração, mas aqui em Fortaleza ele praticamente esgotou em todos os lugares em que procurei. Deixei meu nome em uma loja e consegui comprar um frasco”, relatou.

Jacqueline Oliveira é vendedora em uma farmácia na capital paulista e também confirma a falta do produto. “Está com lista de espera. Não tem mais em lugar nenhum”. Nesta semana, o Ministério da Saúde anunciou que negocia parceria com o Exército para produzir repelente.

Mudança de planos

O aumento dos casos de microcefalia fez com que a servidora pública Nathalia Zaranza, 29 anos, mudasse de planos em relação à gravidez. Também moradora de Fortaleza, ela iniciaria tratamento médico para acompanhar a tentativa de engravidar, mas decidiu não seguir com esse esforço agora. “Se for para acontecer, a gente vai ficar com medo, mas também não desistimos totalmente. Decidimos arriscar até pela vontade de engravidar”. Não há recomendação do Ministério da Saúde para que se evite a gravidez, mas as mulheres que planejam engravidar precisam avaliar os riscos antes de tomar uma decisão.

Na capital paulista, embora a Secretaria Municipal de Saúde não tenha registrado casos suspeitos de microcefalia associada ao Zika, cujo vírus tenha sido contraído em São Paulo, o temor da doença já é uma constante entre as grávidas. A jornalista Ana Maria Straube, 32 anos, grávida de 18 semanas, relata que mudou os planos de uma viagem ao Recife ao saber do surto. “Foi a única coisa que achei que deveria fazer no começo. Agora, que está aparecendo em outros estados, decidimos tomar algumas medidas de prevenção aqui em São Paulo mesmo. Comprei repelente que tem icaridina, que é o mais recomendado. Tinha bromélias que juntavam um pouco de água e tirei todas”, contou.

Foi comum encontrar entre as paulistanas que fazem o pré-natal no Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros, na zona leste da capital paulista, relatos de grávidas que desconheciam o risco do vírus Zika. A boleira Mônica Rodrigues, 37 anos, está grávida de quatro meses do quarto filho e as informações que tem sobre a doença vieram da televisão e da internet. “Não adotei nenhum medida de prevenção, só os cuidados com água parada que a gente já tinha por causa da dengue”, explicou. A operadora de caixa Rosilene Nascimento, 23 anos, está grávida de cinco meses e passou a usar repelente depois do alerta da cunhada. “Ela que se informou e foi me dizendo o que fazer”, disse.

A auxiliar de limpeza Luciana Nogueira, 31 anos, já está no final da gestação, com 37 semanas. Apesar de conhecer a doença, ela está aliviada por saber que tudo está bem com o bebê. “Vi pela televisão e pelo jornal que está afetando as mulheres grávidas, mas com ele está tudo certo”. A operadora de caixa Flávia Silva, 26 anos, também está tranquila em relação ao parto que deve ocorrer nas próximas semanas. “Soube pelas reportagens que está mais no Nordeste. Meu médico não falou sobre isso. Fiquei assustada. Falam que não tem em São Paulo por enquanto, mas deve chegar, então a gente fica preocupada”, declarou.

Tensão

Para Marcelo Burlá, este é um momento de tensão e é preciso ter responsabilidade nas orientações às gestantes. “Não adianta ir muito cedo, com 12, 13 ou 14 semanas, para fazer ultrassom. É um período ainda precoce para avaliar. Toda gestante que teve contato com alguém ou ela mesma teve sintomas do Zika deve procurar um obstetra para fazer a avaliação a partir de 20 semanas. Uma única avaliação é suficiente para afastar completamente [o diagnóstico de microcefalia]”, destacou.

A doula Priscila Rabelo, fundadora da organização não governamental Parto Normal Fortaleza, também chama a atenção para a abordagem desse ambiente de temor entre as mulheres. “A gestação já é cheia de tensões, ansiedades. Diante deste fato novo, que está em estado de alerta, é normal que haja receio coletivo. As orientações estão em construção e isso causa muita ansiedade”. Ela coordena um grupo no Facebook que reúne mais de 8 mil mulheres e este é um tema constante. “Temos chamado a atenção para as medidas de prevenção, mas, sobretudo, para o combate ao mosquito, que é dever, não só das gestantes, mas de toda a sociedade”.

Cidades

Gravidez infantil: Assembleia obriga cartórios a comunicar casos ao Ministério Público

Aprovado em 2ª votação na ALEMS, o Projeto de Lei obriga maternidades e cartórios a informar o Ministério Público Estadual sobre menores de idade que derem à luz

19/06/2024 17h15

Devido a uma nova emenda o projeto passará por uma outra votação

Devido a uma nova emenda o projeto passará por uma outra votação Marcello Casal Jr. /Agência Brasil

Continue Lendo...

Foi aprovado em 2ª votação o Projeto de Lei (PL) que obriga Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais, no âmbito do Estado, a comunicar o Ministério Público Estadual o nascimento de bebês, gestados por crianças menores de 14 anos.

O PL, do deputado Pedrossian Neto (PSD), prevê que seja feita a comunicação tanto da parte da maternidade quanto dos cartórios, sobre parto de meninas menores de 14 anos, que derem à luz, ainda que tenham engravidado de um adolescente da mesma idade. 

Com o intuito que o Ministério Público Estadual, tome medidas legais e cabíveis, verificando inclusive se a criança foi vítima de abuso infantil. Segundo levantado pelo Correio do Estado, passa a ser mais uma ferramenta para proteção da infância e adolescência

Em fevereiro, de 2024, quando apresentou o Projeto de Lei, Pedrossian Neto, explicou que a lei sozinha não conseguirá evitar crimes de abuso sexual contra menores de idade, ou de pedofilia, contudo passa a ser mais uma proteção fornecida pelo Estado às crianças.

"Esse projeto é de suma importância e na realidade ele cria um instrumento de controle da sociedade para que a gente possa combater um problema que ocorre no Brasil e no Mato Grosso do Sul, que é a questão do estupro de menores, o abuso exploração sexual de crianças e adolescentes e também o crime de pedofilia", disse o deputado e complementou: 

"Ao colocar a obrigatoriedade dos cartórios de registro de informar ao Ministério Público Estadual, a ocorrência de bebês nascidos de pais ou mães menores de 14 anos, criamos mais uma regra, uma rotina, dentro dos órgãos de controle de proteção da criança para a gente apurar a ocorrência desse crime porque muitas vezes está acontecendo e não é levado ao conhecimento do Ministério Público, enfim, não temos às vezes nem estatística correta de tudo que está acontecento. Naturalmente que ele não resolve o problema, mas é mais um passo em direção a uma infância mais protegida".

Objetivos do projeto

  • Informar o MPE de eventuais situações contra crianças;
  • Adotar medidas legais para oferecer proteção ao menor de idade;
  • Combater crimes de estupro de vulnerável e abuso cometido contra crianças e adolescentes.

A comunicação deve ser feita de maneira sigilosa sem expor a criança ou o adolescente. Cabe ao cartório enviar uma cópia da certidão de nascimento por meio eletrônico. 

Segundo o texto, o MPE deve ser comunicado até o 10º dia do mês seguinte ao registro de nascimento. Com envio de cópia do registro de nascimento, juntamente com declaração de nascido vivo (DNV)

  • Declaração de Nascido Vivo (DNV), documento essencial para o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc) no Brasil. Esta declaração padronizada é crucial para monitorar estatísticas vitais como o número de nascimentos, cuidados pré-natais, gestação e parto, fornecendo insights cruciais sobre a saúde materno-infantil em todo o país.

Uma emenda acrescentada ao Projeto permite que a informação seja encaminhada por meio eletrônico.

“podendo a entidade associativa representante dos registradores civis de pessoas naturais do Estado formalizar instrumento adequado com o órgão citado para remessa dos arquivos por meio centralizado”.

Em decorrência da emenda o projeto será submetido por votação de redação final e caso seja aprovado irá para apreciação do governador Eduardo Riedel (PSDB).

O texto é baseado no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que defende prioridade no desenvolvimento de políticas públicas para proteção da infância e adolescência.

Em MS, 79.66% das vítimas de estupro são menores de idade

Dados da Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) mostram que, no Estado, a maioria das vítimas de estupro são menores de idade.

Até maio de 2024, foram registradas 974 ocorrências de estupro em delegacias de Mato Grosso do Sul. Destas vítimas, 452 possuíam idade inferior a 11 anos (46.37%) e 324 possuíam idade entre 12 e 17 anos (33.29%).

Somados, os números são ainda mais alarmantes, e correspondem a 79.66% dos registros dentro dos cinco meses do ano.

Em 2023, a Sejusp registrou 2.658 casos de estupro em todo o Estado, sendo 1.261 das vítimas crianças de até 11 anos, e 850 de adolescentes entre 12 e 17 anos - números que indicam que 79,4% das vítimas eram menores de idade.

 

** Colaborou Alanis Netto

Assine o Correio do Estado

 

 

 

Corumbá

Cães desnutridos e abandonados em imóvel são resgatados pela Polícia Civil

Os animais foram resgatados e levados para uma ONG de proteção animal, onde receberão os cuidados veterinários necessários.

19/06/2024 17h00

Local estava sujo e os animais estavam visivelmente famintos e desnutridos.

Local estava sujo e os animais estavam visivelmente famintos e desnutridos. Divulgação/ Polícia Civil

Continue Lendo...

Dois cães adultos e um filhote foram resgatados pela Polícia Civil na tarde desta quarta-feira (19), após denúncias de que os animais estavam sem alimentação e água em uma residência abandonada no Bairro Guatós, em Corumbá, a 427 quilômetros de Campo Grande.

Conforme informações da polícia, o caso chegou até eles após uma denúncia anônima. De acordo com relatos, o dono da residência havia sido dispensado do serviço há uma semana e foi embora do local. Desde então, os animais estavam abandonados, sem alimentação e água.

Os policiais entraram em contato com o ex-proprietário, que se comprometeu a buscá-los, mas não retornou ao local nem forneceu mais informações. Uma equipe da 1ª Delegacia de Polícia Civil foi até o local e, ao chegar na residência abandonada, encontrou os dois cães adultos no quintal e um filhote trancado dentro do imóvel.

Os animais estavam visivelmente famintos e desnutridos, com ossos aparentes, falhas no pelo, infestação de parasitas, anemia e desidratação. O ambiente estava repleto de entulhos e fezes, criando um cenário de extrema negligência.

Aos policiais, testemunhas relataram que na residência, as festas eram frequentes e os cães raramente recebiam alimentação adequada. Mesmo após repetidas cobranças para que cuidasse melhor dos animais, o ex-locatário insistia que os alimentava, apesar da magreza extrema dos cães ser evidente.

Os três cachorros foram resgatados e levados para uma ONG de proteção animal, onde receberão os cuidados veterinários necessários. Assim que estiverem saudáveis, serão disponibilizados para adoção.

Os animais foram encaminhados para uma ONG e receberão cuidados necessários Os animais foram encaminhados para uma ONG e receberão cuidados necessários/ Polícia Civil- Divulgação 


 Assine o Correio do Estado 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).