Clique aqui e veja as últimas notícias!

PANDEMIA

Ministério da Saúde investiga 20 casos de reinfecção em Mato Grosso do Sul

Segundo infectologista, casos de nova infecção devem ter intervalo de 90 dias entre 1º e 2º contágio
11/01/2021 11:00 - Ana Karla Flores


Ministério da Saúde investiga 20 casos suspeitos de reinfecção por coronavírus em Mato Grosso do Sul. Especialista explica que o teste para coronavírus deve dar positivo após 90 dias da primeira contaminação para ser considerado um caso de reinfecção.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), do total de 20 suspeitos, Campo Grande tem 10 casos, Corumbá tem quatro e Antônio João, Coxim, Dourados, Fátima do Sul, Ivinhema e Naviraí tem um caso cada.

A infectologista, Priscila Alexandrino, explica que é considerado reinfecção quando os testes RT-PCR dão positivos após o período médio de imunidade transitória, que é de 90 dias. 

“É considerado reinfecção quando a pessoa ficou boa, melhora dos sintomas e apresenta novamente os sintomas, febre, coriza, mal estar, tosse e ela faz um novo RT-PCR depois desse período e verifica que novamente está positivo”.

Últimas notícias

De acordo com o Ministério da Saúde, a investigação para confirmar a reinfecção pela Covid-19 é feita a partir do sequenciamento do genoma completo viral, que pode identificar duas linhagens distintas em caso de uma segunda contaminação pelo vírus.

Para a confirmação da segunda infecção é necessário a análise do genoma, pois muitas vezes o teste identifica o mesmo vírus que permaneceu no organismo do paciente por mais tempo, mesmo que com uma baixa quantidade.

A estudante de biomedicina, Geiza Thais Monje, 21 anos, explica que teve resultado positivo para vírus da Covid-19 duas vezes em um período de três meses. Na primeira infecção, Monje apresentou sintomas como febre, tosse seca e forte dor de cabeça. 

“Fui ao médico, fiz o teste e deu positivo e os médicos passaram um coquetel para Covid-19. Eu tomei anti-inflamatório, remédio para garganta, antibiótico, que é o coquetel que os médicos da cidade decidiram dar”.