Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

MAPA DA VOLÊNCIA

Mortes Violentas Intencionais aumentam durante pandemia em MS; apenas dois indicadores caíram

Tabela mostra aumento da violência no Estado mesmo com pouca circulação de pessoas
19/10/2020 13:33 - Rodrigo Almeida


Homicídios dolosos, quando há intenção de matar, subiram em Mato Grosso do Sul durante o primeiro semestre. Esse é apenas um dos seis indicadores que compõem a tabela de Mortes Violentas Intencionais (MVI) do Anuário Brasileiro de Segurança Pública. 

As MVIs totais tiveram aumento de 6,2% de um ano para o outro. Mato Grosso do Sul apresentou 274 óbitos contra 258. 

Além delas, faz parte da tabela os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) que englobam os próprios homicídios dolosos, latrocínios e as lesões corporais seguidas de mortes. 

Nessa primeira parte, MS saiu de 246 homicídios dolosos para 261 na nova versão do Anuário. O mapa mostra também que houve três latrocínios a mais até junho deste ano em relação a 2019, quando a contagem fechou em sete casos. 

Na categoria, os indicadores que apresentaram queda foram o de lesão corporal seguida de morte, no qual foi possível observar cinco casos em 2019 contra três de 2020, e o de Mortes Violentes Decorrente de Intervenção Policial saindo de 32 casos para 15 neste ano. 

Violência contra as forças policiais, vítimas de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), também aumentou na nova versão do mapa. De janeiro a Junho foram registrados três casos contra um do mesmo período do ano anterior. 

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública se baseia em informações fornecidas pelas secretarias de segurança pública estaduais, pelo Tesouro Nacional, pelas polícias civis, militares e federal, entre outras fontes oficiais da Segurança Pública.

 
 

Felpuda


Tropas de choque ligadas a alguns vereadores estão agitadas que só nas redes sociais na tentativa de desbancar a concorrência das “chefias” que querem porque querem. Querem a cadeira maior da Câmara Municipal de Campo Grande. A da presidência.

Segundo políticos mais antenados, trata-se do “segundo turno” das eleições do dia 15 de novembro, só que com apenas 29 eleitores.