Clique aqui e veja as últimas notícias!

MEDIDA

MP pede retirada de sigilo dos vídeos da audiência de Mariana Ferrer

Segundo o promotor, o pedido vai permitir que os órgãos de controle possam ter acesso à íntegra do ato processual
04/11/2020 22:00 - Estadão Conteúdo


O Promotor de Justiça Thiago Carriço de Oliveira, que atuou no caso da blogueira Mariana Ferrer, requereu ao Poder Judiciário o levantamento do sigilo do vídeo da instrução criminal que se tornou alvo da polêmica atuação do advogado Cláudio Gastão da Rosa Filho.

Segundo o promotor, o pedido vai permitir que os órgãos de controle possam ter acesso à íntegra do ato processual.

Em nota, o Ministério Público ainda informou que as perguntas feitas pelo Promotor de Justiça à Mariana "atentaram aos princípios de acolhimento e respeito".

"O Ministério Público reitera seu repúdio à atitude do advogado e ressalta que a exploração de aspectos pessoais da vida de vítimas de crimes sexuais não pode, em hipótese alguma, ser utilizada para descredenciar a versão fornecida por ela aos fatos", diz trecho da nota.

Entenda

A blogueira Mariana Ferrer acusa o empresário André de Camargo Aranha de tê-la estuprado em dezembro de 2018, em um camarim privado, durante uma festa em um beach club em Jurerê Internacional, em Florianópolis. Ela tinha 21 anos e era virgem.

As únicas imagens recuperadas pela polícia mostram Mariana na companhia do empresário. Ela suspeita que tenha sido drogada e que, por isso, não sabe exatamente o que aconteceu. Nas roupas dela, a perícia encontrou sêmen do empresário e sangue dela. O exame toxicológico de Mariana não constatou o consumo de álcool ou drogas.

Durante o processo, o promotor do caso foi transferido para uma outra promotoria e o entendimento do novo promotor foi o de que o empresário não teria como saber que Mariana não estava em condições de dar consentimento à relação sexual, não existindo, assim, o dolo, a intenção de estuprar. Essa conclusão do promotor está sendo chamada de "estupro culposo". Aranha foi absolvido.

Ataque a Vítima

O caso voltou à tona nesta terça-feira (3) depois que o site The Intercept Brasil publicou o vídeo de uma audiência do caso em que o advogado de defesa, Cláudio Gastão da Rosa Filho, exibe fotos sensuais feitas por Mariana Ferrer quando era modelo profissional, definindo-as como "ginecológicas"; ele afirma ainda que "jamais teria uma filha" do "nível" de Mariana e, ao vê-la chorar, diz:

"Não adianta vir com esse teu choro dissimulado, falso e essa lábia de crocodilo".

É possível ver, no vídeo da audiência, que a jovem reclamou do interrogatório para o juiz.

“Excelentíssimo, eu estou implorando por respeito, nem os acusados são tratados do jeito que estou sendo tratada, pelo amor de Deus, gente. O que é isso?”, diz ela.

O juiz avisa Mariana que vai parar a gravação - a audiência foi feita por vídeoconferência - para que ela possa tomar água e pede para o advogado manter um “bom nível”.

A defesa de Mariana Ferrer repudiou a sentença do Poder Judiciário catarinense e reforçou que só a vítima pode afirmar se houve ou não consentimento, não o promotor ou o juiz.