Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

LIQUIDAÇÃO JUDICIAL

MPE investiga R$ 78,8 milhões do Governo do Estado "perdidos" em conta de banco

O valor estava depositado no Banco Rural em agosto de 2013, quando instituição foi encerrada
03/09/2015 09:00 - ALINY MARY DIAS


 

Dois anos depois de liquidado judicialmente, o Banco Rural ainda figura impasses milionários envolvendo a prefeitura e o Governo do Estado. Nesta quinta-feira (3), o Ministério Público Estadual (MPE) abriu inquérito para apurar onde foram parar os R$ 78,8 milhões que estavam depositados no banco. Além dos milhões do Governo, também estavam em conta R$ 8,2 milhões da prefeitura da Capital.

Conforme o inquérito divulgado no Diário Oficial do órgão, R$ 78.889.453,20 milhões estavam depositados em conta que o Governo do Estado tinha no Banco Rural na época de sua falência, em agosto de 2013.

Agora, a investigação apura “eventual irregularidade na aplicação de disponibilidade de caixa do Estado de Mato Grosso do Sul”. Quem comanda a investigação é o promotor Alexandre Pinto Capiberibe Saldanha, da 30ª Promotoria de Justiça do Patrimônio

BANCO RURAL

Em agosto de 2013, o Banco Central do Brasil decretou liquidação extrajudicial do Banco Rural S.A., com sede em Belo Horizonte. O motivo da liquidação foi “decorrência do comprometimento da sua situação econômico-financeira e da falta de um plano viável para a recuperação da situação do Banco”.

Em março de 2013, a instituição tinha apenas 0,07% dos ativos e 0,13% dos depósitos do sistema financeiro.

 

Felpuda


Com trabalho suspenso, por causa da Covid-19, investigação parou sem ter começado e, agora, dois dos cabeças do grupo de trabalho estão “chovendo no molhado”. Assim, para continuar, digamos, em evidência, vêm divulgando sobre a “firmeza” de ambos em “dar continuidade”, tão logo acabe a pandemia que, assim como os resultados dos trabalhos, são incógnitas que só. Portanto, melhor seria aguardar o desenrolar dos acontecimentos para sair “cantando de galo”.