Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

MPMS investiga problemas em aulas à distância de escolas particulares

Instituições discutem com o órgão e a prefeitura reabertura a partir do próximo mês
26/05/2020 10:01 - Adriel Mattos


O Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul está investigando se as escolas particulares de Campo Grande estão ministrando plenamente aulas à distância durante o isolamento imposto pela pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. O edital de abertura foi publicado na edição desta terça-feira (26) do Diário Oficial do MP.

Esse inquérito civil foi aberto pela 46ª Promotoria de Justiça. O órgão alega que “nem todos os alunos possuem condições de acompanhar, bem como [há] possível falta de estrutura tecnológica de algumas escolas particulares”.

Os conselhos municipal e estadual de Educação, responsáveis por monitorar as instituições de ensino, foram notificados e têm dez dias para se manifestar.  

 
 

HISTÓRICO

Desde março, as instituições particulares e públicas estão fechadas e trabalhando com sistemas de aulas remotas. A Superintendência de Orientação e Defesa do Consumidor de Mato Grosso do Sul (Procon/MS) interviu e as escolas privadas passaram a oferecer desconto nas mensalidades.

Apenas 120 escolas particulares assinaram acordo, das 296 particulares da Capital. A medida prevê descontos em mensalidades de 25% para alunos de 0 a 3 anos, e 10% para estudantes acima dos 3 anos.

Porém, instituições de pequeno e médio porte estão enfrentando uma grave crise, como noticia o Correio do Estado na edição de hoje. Algumas podem nem voltar a abrir as portas mesmo após o período mais crítico da pandemia.  

Isso porque algumas perderam tantos alunos que já não conseguem se manter, a avaliação da Associação de Instituições de Ensino Particulares de Campo Grande (AIEPCG) - associação que representa as escolas que não integram as grandes redes - é que cerca de 10 escolas podem fechar. Em outras, a saída para não fechar foi demitir os funcionários e trabalhar apenas com o mínimo possível.

As entidades que representam o setor discutem com a Prefeitura de Campo Grande e o MPMS um possível retorno das atividades da educação infantil, de aluno entre 6 meses e 7 anos, para junho deste ano. Ainda não há um calendário instituído, entretanto, uma reunião para acertar os detalhes deve acontecer ainda esta semana.

 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.