Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COMBATE

MS vai receber mais 2.400 EPIs para profissionais na linha de frente

Produção dos equipamentos tem apoio de produtores rurais do Estado
24/05/2020 08:36 - Da Redação


Para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus, o uso de Equipamento de Proteção Individual (EPI) é extremamente essencial para profissionais da saúde que atuam na linha de frente de combate a doença. Assim como a maioria das pessoas que querem que a Covid-19 vá embora, diversas instituições se uniram para encontrar soluções viáveis para a confecção de máscaras feitas com placas de acetato, que são ideais para a proteção em unidades de saúde e diminuem consideravelmente o risco de contágio.

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro) viabilizou junto aos produtores associados do Sindicato Rural de Campo Grande, Rochedo e Corguinho, a doação dos insumos necessários para a confecção das máscaras de acetato, feitas por técnicos do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS). “Eles compraram os insumos necessários para a impressão e confecção das máscaras, que incluíram o filamento, o perfurador e as folhas de acetato”, explica a diretora de empreendedorismo e inovação do IFMS, Ivilaine Pereira.

Segundo o Governo do Estado, inicialmente, a proposta do IFMS era confeccionar 600 máscaras, mas com o aumento dos pedidos de unidades de saúde, o Instituto solicitou aos parceiros a compra de menos filamentos e mais folhas de acetado. Com a mudança, 2.400 máscaras foram produzidas e distribuídas para diversas cidades, como Campo Grande, Aquidauana, Dourados e Ponta Porã. 

“No início recebemos 600 pedidos de confecção de EPI, que foi quando viabilizamos esse contato entre a Semagro e o Sindicato. Porém, em pouco tempo os pedidos aumentaram, chegando a 3 mil. Com isso, conseguimos alguns filamentos nas unidades do IFMS e solicitamos que o Sindicato priorizasse o acetato nas compras. Recebemos 24 pacotes, com 100 folhas cada, sendo que conseguimos 1 máscara por folha”, explica Ivilaine.

A diretora ressalta que desde o dia 17 de março, as impressoras estão trabalhando todos os dias, 24 horas. “Com a doação viabilizada pela Semagro e Sindicato Rural conseguimos enviar para Aquidauana, à Secretaria de Saúde Indígena, para o Corpo de Bombeiros de Dourados e o Hospital Regional de Ponta Porã. Tenho outros pedidos que incluem asilos e outras unidades de saúde”, disse.

Ao todo, o IFMS já produziu mais de 6 mil máscaras de acetato, possíveis através de outras doações e após a divulgação da parceria inicial entre o SRCG e a Semagro.

De acordo com o professor do IFMS, Evandro Falleiros, a confecção do EPI envolve três partes, sendo a primeira a impressão em 3D do suporte de fixação do material translúcido. Em seguida, há o encaixe da folha acetato, que protege o profissional das gotículas que transmitem o coronavírus. “E para que o conforto seja maior na cabeça de quem utiliza esse protetor facial, utilizamos um elástico caseado, esse elástico possui furações específicas para que o profissional possa ajustá-lo em sua cabeça. Esses protetores faciais e demais EPIs são de suma importância para que os profissionais de saúde consigam atuar com maior segurança e se proteger em suas atividades diárias”, finalizou. 

 

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.