Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

MS registra 362 casos de Covid-19; Saúde fala em chegada do pico

Agravamento do quadro da doença no interior do Estado preocupa autoridades sanitárias
11/05/2020 10:00 - Thiago Gomes


Mato Grosso Sul registrou mais 16 casos do novo coronavírus e tem 362 confirmações desde o primeiro episódio, em março. Diante da aceleração dos números, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) acredita em chegada do pico da pandemia no Estado. A SES monitora outros 51 suspeitos.

Para o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, pelo crescimento nos últimos números é possível falar que o Estado pode estar entrando na fase mais aguda da Covid-19, ou seja, no pico de casos da doença. “Estamos adentrando semanas que nos deixam de fato bastante preocupados. Nos últimos quatro dias, tivemos crescimentos exponenciais da doença, como ainda não tínhamos visto nas semanas anteriores”, destacou Resende ontem, ressaltando que, no período dos últimos quatro dias, o número de casos foi de 23, 15, 20, e 16 ontem.

O secretário afirmou que, no momento, há uma grande preocupação com municípios do interior, como Guia Lopes, Jardim e Brasilândia. Segundo ele, o governo do Estado está procurando ajudar essas cidades com suporte no atendimento, até por que há falta de unidades de terapia intensiva (UTIs) na região.

Apesar da elevação no número de testes positivos, o Resende observou que o Estado ainda tem uma condição privilegiada, diferentemente de algumas capitais, onde estão sendo vistas “cenas macabras” de centenas de mortes pela doença.  

Ainda de acordo com o titular da SES, é preciso que haja colaboração de todos nesse momento, tanto no isolamento social quanto na utilização de mecanismos de proteção.

IDOSOS

Geraldo Resende manifestou preocupação com os idosos nesses dias de pandemia. Ontem, Dia das Mães, durante live nas redes sociais do governo do Estado com informações sobre o novo coronavírus, a SES divulgou estratégias para atender idosos que vivem nas chamadas instituições de longa permanência, os antigos asilos. Segundo a Secretaria de Saúde, são pelo menos 1,6 mil pessoas idosas vivendo nessas instituições em todo Mato Grosso do Sul. O trabalho vai dar prioridade à qualificação e à orientação de 800 cuidadores que trabalham nesses locais. Em parceria com a Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (Uems), a ação deve começar por Campo Grande, Dourados e Aquidauana.

Outra medida divulgada neste domingo foi a adesão do Estado ao programa Brasil Conta Comigo, lançado pelo governo federal, que visa colocar alunos dos cursos de Medicina, Farmácia, Enfermagem e Fisioterapia na linha de frente do combate à Covid-19, reforçando a assistência.

BOLETIM

Conforme a SES, dos 362 casos confirmados, 128 estão em isolamento domiciliar e 201 estão sem sintomas e já recuperados. Vinte e cinco estão internados, sendo 16 em hospitais públicos e nove em hospitais privados. Dois pacientes internados são procedentes de fora do Estado e um de fora do País. Foram registrados 11 óbitos.

Das 1.614 amostras coletadas no drive-thru em Campo Grande, 1.579 deram negativo e 35 deram positivo. Das 117 amostras coletadas no drive-thru em Dourados, quatro deram positivo e 113 foram descartadas. Das 95 amostras coletadas no drive-thru em Três lagoas, 85 deram resultado negativo e 10 positivo.

Desde o dia 25 de janeiro foram registradas 3.743 notificações de casos suspeitos em Mato Grosso do Sul. Destes, 3.309 foram descartados após os exames darem negativo para Covid-19, e 21 foram excluídos por não se encaixarem na definição de caso suspeito do Ministério da Saúde.

Os 51 casos suspeitos em investigação tiveram as amostras encaminhadas para o Lacen/MS, onde será feito o exame para nove tipos de vírus respiratórios, incluindo influenza e coronavírus. O Lacen/MS realiza os exames para Covid-19 em Mato Grosso do Sul. Os resultados ficam prontos entre 24 horas a 72 horas após o recebimento das amostras.

 
 

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!