Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TEMPO

Mato Grosso do Sul tem cidades com umidade de 11% e calor de quase 40°C

Estado continua com municípios entre os mais quentes e secos do Brasil
07/09/2020 16:59 - Glaucea Vaccari


Assim como vem acontecendo há semanas, Mato Grosso do Sul tem três cidades entre as 20 mais quentes do Brasil e quatro entre as mais secas.  

Os índices de umidade relativa do ar estão a níveis considerados estado de emergência em Mato Grosso do Sul, abaixo de 15%.

Conforme o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), neste domingo (6), Costa Rica chegou a registrar umidade de 11%, a segunda menor do País, atrás apenas de Novo Repartimento, no Pará, com 8%.

Também tiveram tempo extremamente seco as cidades de Água Clara (11%), Coxim (12%) e Sonora (12%).

Além do tempo extremamente seco, o calor tem sido intenso, com temperaturas próximas de 40°C em algumas regiões e a sensação térmica ultrapassando esta marca.

No ranking das cidades mais quentes,  são de Mato Grosso do Sul, sendo Água Clara, que registrou 39,4°C; Corumbá, com 39,3°C e Coxim, 39,2°C.

Este clima de deserto deve persistir durante a semana no Estado.

O inverno deve terminar sem chuvas. Precipitações não estão previstas para, pelo menos, até o dia 22 de setembro.

Por conta dessas condições climáticas, o Inmet tem dois alertas vigentes, de perigo potencial e perigo, devido a baixa umidade.

Alerta é de umidade relativa do ar variando entre 20% e 12%, que aumentam riscos de incêndios florestais e riscos à saúde, como ressacamento da pele, desconforto nos olhos, boca e nariz.

Orientação é beber bastante líquidos, evitar exposição ao sol nas horas mais secas do dia, umidificar ambientes, usar hidratante para pele e lábios. Atividades físicas não são recomendadas. 

 
 

Felpuda


Os bastidores fervem com a ciumeira que vem acontecendo em alguns municípios, onde determinados candidatos estariam sendo mais prestigiados que outros depois das alianças que foram formalizadas nas convenções. As queixas só aumentam, e as lideranças partidárias já não sabem o que fazer, temendo a possibilidade de que a vitória vá para o ralo. A bronca maior está entre integrantes das chapas puras de vereadores que se coligaram na majoritária. E salve-se quem puder!