Clique aqui e veja as últimas notícias!

IBGE

MS tem a menor proporção de pessoas afastadas do trabalho devido à pandemia

Entre estados brasileiros, Mato Grosso do Sul tem o 3ª maior nível de ocupação
01/12/2020 12:48 - Gabrielle Tavares


O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulgou hoje (1º) a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Covid-19) referente ao mês de outubro. Mato Grosso do Sul apareceu como o estado que menos pessoas aderiram ao trabalho em home office.

Em outubro, dos 1,22 milhão de ocupados do Estado, somente 63 mil estavam afastados do trabalho que tinham na semana de referência da pesquisa.

Acompanhe as últimas notícias

Um número menor ainda estavam afastados devido ao distanciamento social: 21 mil. O índice representa queda de 19% em relação a setembro e 78,3% em relação a maio.

A proporção do número de pessoas afastadas do trabalho presencial em razão à pandemia da Covid-19 em Mato Grosso do Sul passou de 2,1%, em setembro, para 1,7%, em outubro. Em maio, este percentual era de 8,2%.

O IBGE alerta que estes indicadores apresentam quedas sucessivas desde o início da pandemia, à medida que as restrições de isolamento são afrouxadas.

Nível de ocupação

Entre as Unidades da federação, Mato Grosso do Sul tem o 3º maior nível de ocupação, atrás somente de Santa Catarina (57,6%) e Mato Grosso (57,1%).

O percentual de pessoas ocupadas em relação às pessoas em idade de trabalhar tem aumentado gradativamente no Estado.

O número passou de 55,1% em maio, para 55,7% em agosto, 56,5% em setembro e 56,6% em outubro.

O mês com menor número de ocupados foi em junho (54,7%).

No Brasil, o nível da ocupação era de 49,7% em maio, passou para 48,6% em setembro e chegou em 49,3% em outubro, configurando uma trajetória em “U”, com seu valor mínimo em julho (47,9%).

Frente a setembro, esse indicador teve ligeiro aumento em todas as regiões.

Pesquisa

O  PNAD Covid-19 começou a ser realizada no início da pandemia neste ano, com objetivo de estimar o número de pessoas com sintomas referidos associados à síndrome gripal e obter informações sobre a procura por estabelecimento de saúde.

O estudo também abrange temas como testes de Covid, comorbidades, comportamento, indicadores escolares, solicitação e aquisição de empréstimos e itens de higiene e proteção.

Em nível nacional, alguns indicadores são divulgados semanalmente e para um conjunto mais amplo por Unidades da Federação, mensalmente.