Cidades

NOVO PAC SAÚDE

A+ A-

MS terá 2 das 55 policlínicas que o governo federal vai construir no país

Com um investimento total de R$1,65 bilhão, cada unidade receberá um montante de R$30 milhões

Continue lendo...

Mato Grosso do Sul será contemplado com a construção de duas das 55 novas Policlínicas que serão erguidas em todo o Brasil pelo governo federal, como parte do ambicioso Programa de Aceleração do Crescimento (Novo PAC) no eixo da Saúde. As unidades serão implantadas em Campo Grande e Dourados.

O programa tem como objetivo preencher lacunas de assistência médica especializada, levando esses serviços a áreas que historicamente não tinham acesso a eles. Com um investimento total de R$1,65 bilhão, cada unidade receberá um montante de R$30 milhões, distribuído igualmente entre infraestrutura e aquisição de equipamentos.

O Ministério da Saúde informou em nota ao Correio do Estado, que serão repassados aos municípios por meio de contrato de repasse, com valor estimado de R$ 30 milhões por Policlínica, com parte destinada à edificação e outra à aquisição de equipamentos.

“A implantação das Policlínicas Regionais está prevista no Novo Programa de Aceleração do Crescimento. Foram selecionadas duas propostas de Policlínicas para o estado do Mato Grosso do Sul, nos municípios de Campo Grande e Dourados.”.

Essas unidades funcionarão como centros de acesso a Serviços Especializados de Apoio Diagnóstico e Terapêutico, oferecendo consultas com especialistas médicos e não médicos organizados para atender as necessidades específicas de cada região, baseadas no perfil epidemiológico da população local.

A seleção das propostas levou em consideração critérios como alcance regional ou macrorregional, maior vulnerabilidade socioeconômica, vazios assistenciais de policlínicas e adesão ao projeto arquitetônico padrão. O Ministério da Saúde também se inspirou nas experiências de outros estados, como Bahia e Ceará, na oferta de Policlínicas Regionais de Saúde.

Além disso, o Ministério esclareceu que a proposta da Policlínica do Município de Três Lagoas foi considerada habilitada, mas não foi selecionada. No entanto, está disponível para financiamento via Emenda Parlamentar.

Essas policlínicas representam um avanço significativo no acesso a serviços de saúde especializados para a população beneficiada pelo SUS. Com cada nova unidade sendo um passo em direção à melhoria da qualidade de vida dos cidadãos atendidos.

Novo Pac Saúde

A diretora do Departamento de Atenção Especializada e Temática, Suzana Ribeiro, explicou que a inclusão das Policlínicas no Novo PAC foi inspirada em experiências bem-sucedidas de outros estados, como Bahia e Ceará, que já possuem Policlínicas Regionais de Saúde.

“Com esta ação, materializamos a Política Nacional de Atenção Especializada à Saúde, pactuada em outubro de 2023, no espaço tripartite com as representações dos estados e municípios. As policlínicas nos auxiliam com a condição de estrutura. Não só na estrutura física, mas na oferta de serviços para atender as diversidades regionais, de acordo com a realidade epidemiológica local”, afirma. 

Durante o processo de seleção das propostas, houve um realinhamento de recursos, resultando na inclusão de uma unidade adicional, elevando a meta inicial de 54 para 55 Policlínicas.

Para Suzana Ribeiro, cada nova unidade do SUS representa um avanço significativo em termos de qualidade de vida para os beneficiários do sistema, permitindo acesso facilitado a consultas especializadas, exames e procedimentos terapêuticos em um único local, otimizando tempo e resolutividade do atendimento.

“Para o beneficiário do SUS a proposta da policlínica traz uma condição ímpar que é permitir que ele consiga ter acesso não só à consulta especializada, mas também à realização de exames e a possibilidade de ser encaminhado para um outro serviço de maior complexidade”, finaliza Suzana. 

Além de oferecer serviços de saúde abrangentes, as Policlínicas também desempenham um papel crucial na formação e qualificação de profissionais de saúde, além de servirem como centros de apoio à inteligência sanitária nos territórios, graças à sua infraestrutura tecnológica e capacidade de integração com outros serviços de saúde locais.


Assine o Correio do Estado.

Alarmante!

MS registra duas mortes por síndrome respiratória, totalizando 141 óbitos em 2024

Segundo os dados, houve um aumento de 267 casos na última semana.

24/04/2024 17h47

Foto: Arquivo/

Continue Lendo...

Nesta semana foram registradas duas mortes por SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) em Mato Grosso do Sul. De acordo com o boletim divulgado pela SES (Secretaria de Estado de Saúde) de hoje (24), até o momento foram  registrados 141 óbitos da doença somente em 2024. 

Segundo o levantamento da SAS, foram contabilizados 1741 casos de SRAG. Os números representam uma queda acentuada em comparação ao último relatório. No entanto, a secretaria relata que os números podem aumentar devido à sazonalidade da doença. Os casos podem subir nas próximas semanas.

Na última semana, foram 1.650 casos de SRAG confirmados em Mato Grosso do sul, com 139 mortes pela doença. Há duas semanas, eram 1.383 casos, com 121 mortes, ou seja, houve um salto de 267 casos a mais de uma semana para a outra

A cidade com maior caso da doença é Campo Grande, com 857 casos registrados, com 61 mortes. A letalidade da doença na capital de Mato Grosso do Sul é de 7,1%. 

Logo mais abaixo Corumbá com 127 casos, seguidos por Ponta Porã com 80 casos e Dourados 67 registros. 


Causadores da síndrome SRAG 

Conforme os especialistas, os causadores do SRAG são os SARS-CoV-2, vírus da família dos coronavírus, responsáveis por 43,2% dos diagnósticos. Logo atrás vem o rinovírus, com 25,9% dos casos, e o vírus sincicial respiratório, com 17,7% dos casos. Os demais casos de doenças respiratórias se dividem entre diferentes tipos de Influenza e outros vírus.

 

 Assine o Correio do Estado.

Cidades

Mato Grosso do Sul volta a zerar número de mortes por Covid-19

Apenas 29 casos foram registrados na última semana

24/04/2024 17h40

Reprodução

Continue Lendo...

Nenhum óbito em decorrência da Covid-19 foi registrado nos últimos sete dias em Mato Grosso do Sul, segundo o Boletim Epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde (SES), divulgado semanalmente. Os números foram zerados pela segunda vez no ano, já que na semana terminada em 14 de fevereiro também não foi notificada nenhuma morte.

Além das mortes zeradas, outro dado chama a atenção: apenas 29 casos foram confirmados no período.

Desde o início do ano, 61 pessoas morreram de Covid-19 em Mato Grosso do Sul, e 9.013 casos foram confirmados.

Sintomas da Covid-19

É possível que o cidadão esteja infectado com o vírus da Covid-19 caso apresente os seguintes sintomas:

  • Febre
  • Tosse seca
  • Perda do olfato
  • Perda do paladar
  • Falta de ar
  • Dificuldade para respirar
  • Dor ou pressão do peito

Transmissão

O meio de transmissão da Covid-19 se dá por inalação ou contato com gotículas de saliva, secreções respiratórias ou superfícies contaminadas. Portanto, a transmissão pode ocorrer por meio de:

  • Tosse
  • Espirro
  • Catarro
  • Apertos de mão
  • Contato pessoal próximo
  • Contato com objetos contaminados

Prevenção

Existem inúmeras formas de se prevenir o contágio e proliferação da Covid-19. Confira:

  • Vacinação contra Covid-19
  • Uso de máscara
  • Uso de álcool gel
  • Lavagem das mãos com água e sabão
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca
  • Não compartilhar objetos pessoais
  • Ventilar ambientes
  • Evitar aglomerações e espaços fechados

Assine o Correio do Estado. 

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).