Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

MS ultrapassa os 26 mil casos da Covid-19 e contabiliza 15 óbitos em 24 horas

Estado chega a 404 óbitos pela doença e tem taxa de letalidade ampliada para 1,6%
02/08/2020 11:31 - Daiany Albuquerque


Mato Grosso do Sul ultrapassou os 26 mil casos da Covid-19 neste domingo (2) e chegou a 26.003 episódios da doença. Nas últimas 24 horas foram 264 novas contaminações confirmadas e 15 mortes contabilizadas. Com isso, a taxa de letalidade da doença cresceu para 1,6% no Estado.

De acordo com dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES), das 15 mortes, 5 pessoas não tinham comorbidades relatadas. Do total, 4 ocorreram em Campo Grande, 3 em Corumbá e 1 em Sidrolândia, Naviraí, Ladário, Terenos, Maracaju, Dourados, Aquidauana e Miranda.

Com as 15 mortes de hoje a média móvel da semana epidemiológica ficou em 12,4, a maior registrada pelo Estado até agora. “Enquanto nós não tivermos redução de casos em Campo Grande e em Corumbá não teremos redução de mortes no Estado”, alertou o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, durante a transmissão dos dados do boletim da Covid-19.

O Estado chegou a 471 pessoas internadas, sendo 7 de outras unidades da federação. São 270 em leitos clínicos (172 na rede pública e 98 na privada) e 201 em Unidades de Terapia Intenvisa (UTIs) – 129 na pública e 72 na rede privada.

“Não vai existir normalidade enquanto não descobrirmos uma vacina contra o coronavírus. Há várias dessas vacinas, pelos pelo menos 4 a 5 em fase avançada e esperamos que até o final do ano, ou começo de 2021 nós já tenhamos vacinas para as pessoas do Brasil e do mundo”, continuou Resende.

Dos mais 26 mil casos, 19.568 pessoas já estão recuperadas e outras 5.567 encontram-se em isolamento domiciliar.

 
 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.