Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BOLETIM

Mato Grosso do Sul ultrapassa os 70 mil casos confirmados da Covid-19

Campo Grande não enviou dados de mortes ocorridas nas últimas 24 horas
01/10/2020 12:28 - Glaucea Vaccari


Mato Grosso do Sul confirmou mais 533 casos de Covid-19 nas últimas 24 horas e o Estado chegou a 70.279 confirmações da doença desde o início da pandemia.

Com relação as mortes, foram confirmadas 8, mas número pode ser maior. Isto porque Campo Grande não enviou as informações para serem contabilizadas no boletim divulgado nesta quinta-feira (1º).

“Ultrapassamos os 70 mil casos, mas temos 90% deles recuperados. São 63.802 recuperados e 5.1963 casos ativos, que estão com Covid fazendo a quarentena ou estão internados”, ressaltou o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende.  

Com relação os novos óbitos, vítimas eram de Brasilândia, Inocência, Itaporã, Miranda, Paranaíba, Ponta Porã, São Gabriel do Oeste e Terenos.

Mortes que ocorreram em Campo Grande não foram informadas e serão incorporadas no boletim epidemiológico desta sexta-feira (2).

Com os dados divulgados até hoje, o Estado soma 1.311 óbitos.

Taxa de mortalidade se mantém em 1,9%, enquanto a taxa de contágio caiu para 1%.

“A taxa de contágio em 1 mostra que a doença estabilizará e poderá ter curva de decréscimo, é um fato positivo esse número”, disse Resende.

Segundo o secretário, o objetivo é fazer com que a taxa caia ainda mais, para que a circulação diminua e, consequentemente, o contágio e casos confirmados.  

Para que haja a queda, Resende voltou a pedir que a população, principalmente os jovens, cumpram as medidas de distanciamento social, evitem aglomeração, usem máscara e cumpram as etiquetas de higiene.

Internações também têm se mantido abaixo de 500, com 467 pessoas internadas nesta quinta-feira (1º).

 
 

Felpuda


Questão de família acabou descambando para o lado da política, e a confusão já é do conhecimento público. 

A queda de braço tem como foco a troca de apoio político que, de um, foi para outro. Sem contar as ameaças de denúncia da figura central do imbróglio. 

A continuar assim, há quem diga que nenhum dos dois candidatos a vereador envolvidos na história conseguirá ser eleito. Barraco é pouco!