Cidades

CATEGORIA DE BASE

Nacional de Handebol pode fomentar a modalidade em MS

Jogos da categoria Cadete reunirão 500 atletas de 10 estados no Guanandizão

Continue lendo...

Campo Grande sedia este mês o Campeonato Brasileiro de Handebol de Seleções, da categoria Cadete (15 a 16 anos) e isso é visto como uma chance de fomentar a modalidade em Mato Grosso do Sul.

Sobre a importância de sediar o Brasileiro Cadete em Campo Grande, a presidente da Federação de Handebol do Mato Grosso do Sul, Andreia Albuquerque, acredita que a competição pode ajudar no crescimento da  modalidade em âmbito Estadual. 

“Buscamos evoluir a nossa modalidade em nosso Estado sediando o Brasileiro, estamos numa crescente em nosso esporte e através desta competição teremos uma visibilidade melhor e, com isso, todos nós amantes do handebol ganhamos com o evento”, informou.

A competição, que recentemente voltou no calendário nacional do handebol, o Campeonato Brasileiro de Seleções, começa no dia 10 de junho, a partir das 9 horas, com jogos das seleções femininas, e 16 de junho com as masculinas. As principais partidas serão disputadas no Ginásio Guanandizão.

Além da seleção feminina de Mato Grosso do Sul, outras oito disputam o campeonato: Mato Grosso, Bahia, Santa Catarina, Alagoas Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

No Masculino, Mato Grosso do Sul e mais nove seleções jogam o Brasileiro Cadete: Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Distrito Federal, Bahia, Espirito Santo, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Alagoas.

De acordo com a Federação de Handebol do Mato Grosso do Sul (FHMS) o Campeonato Brasileiro de Handebol de Seleções Cadete voltou ao calendário no ano passado, depois de um hiato de 20 anos sem a realização do evento. Em 2023 ele foi realizado na cidade de Campo Bom, no Rio Grande do Sul.

No ano passado a seleção sul-mato-grossense terminou a competição na quinta colocação geral entre os estados participantes.

Andreia também mantêm as expectativas altas sobre a possibilidade da seleção do Estado conseguir em Mato Grosso do Sul uma colocação de destaque no Brasileiro.

“Tivemos algumas dificuldades na montagem do elenco, mas para o ano de 2024 conseguimos montar um elenco com vários atletas de vários clubes para formar uma seleção forte, e buscar melhorar a colocação que obtivemos na edição anterior”, disse Andreia.

SELEÇÃO DE MS

Em entrevista para o Correio do Estado, o técnico da Seleção Masculina de MS, Cristio Duarte, também entende que a disputa do Brasileiro cadete em Mato Grosso do Sul é uma oportunidade do handebol crescer no Estado. 

“Para os amantes da modalidade essa iniciativa da FHMS, em parceria com a Fundesporte é uma excelente tomada de decisão para o crescimento da nossa modalidade. Convidamos a todos para prestigiar nosso esporte e também fazer uma torcida para nosso MS”, disse.

Sobre a montagem do elenco masculino, que têm atletas de Campo Grande, Aquidauana e Água Clara, o treinador informou que a experiência em competições nacionais foi um dos critérios na convocação. 

“A expectativa é muito boa, montamos um grupo bom para competição. Buscamos por atletas que já estiveram em competições nacionais, que tenham experiência, mesmo com idade formação, já tenham que competido a nível nacional”, declarou.

Um destes atletas é André Vincente, de 15 anos, do clube Associação Aquidauanense de Handebol (AAH), que joga na posição de ponta esquerda.

O jovem atleta declarou à reportagem que começou a praticar Handebol depois que trocou de escola, no município de Aquidauana, e conheceu a modalidade que se tornou muito importante em sua vida. 

“Handebol para mim é mais que um esporte, é uma paixão pelo que faço. O que eu mais gosto na prática de handebol são as amizades que faço dentro de quadra, é uma energia incrível você jogar e ver as pessoas assistindo e torcendo, isso é muito importante para quem está dentro de quadra”, declarou André.

Sobre as expectativas para a competição, André Vincente espera disputar grandes jogos representando o Estado no Ginásio Guanandizão.

“Espero que a agente possa fazer grandes jogos, acredito que a equipe está bem preparada fisicamente e mentalmente para o Brasileiro de Seleções, treinamos dia após dia, e estamos cada vez mais nos dedicando. Para mim é uma honra representar Mato Grosso do Sul nesse campeonato”, afirmou o jovem.

Ao todo, 32 atletas de Mato Grosso do Sul vão representar o Estado na competição.

FORMATO DE DISPUTA

As seleções estaduais dos dois naipes (masculino e feminino) estão divididas em dois grupos de quatro ou cinco equipes.

As duas melhores seleções de cada chave avançam às semifinais e os eliminados de cada grupo disputam partidas extras para definir o ranqueamento final da competição.

A partir da semifinal, o líderes dos grupos enfrentam o segundos colocados, os confrontos serão disputados em jogo único. 

Os vencedores de cada jogo avançam a final, e os perdedores da semi se enfrentam nas definições de medalhas na disputa do terceiro lugar.

SAIBA

O Campeonato Brasileiro de Seleções terá apoio da Fundação de Desporto e Lazer de Mato Grosso do Sul (Fundesporte), Secretaria de Estado de Turismo, Esporte e Cultura (Setesc), Fundação Municipal de Esporte (Funesp), governo do Estado, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e da Confederação Brasileira de Handebol.

Assine o Correio do Estado

CORUMBÁ

Homem abandona cachorro e é indiciado pela polícia; vídeo

Abandono é considerado crime desde 1998, com pena aumentada em 2020, prevendo reclusão de dois a cinco anos, além de multa e proibição de guarda

23/06/2024 11h32

Imagens despertaram atenção das autoridades locais que se empenham na resolução desse caso

Imagens despertaram atenção das autoridades locais que se empenham na resolução desse caso Reprodução/PCMS

Continue Lendo...

Imagens, que mostram o desespero de um animal de estimação ao ser abandonado, ajudaram a polícia sul-mato-grossense a localizar um homem acusado de abandonar o cachorro em uma rotatória no centro de Corumbá, distante cerca de 425,7 km de Campo Grande. 

Na Cidade Branca, as imagens mostram um Volkswagen cinza em manobra cruzando uma rotatória de Corumbá, sendo que, ao lado do veículo, um cachorro branco com manchas pretas nas costas, cabeça e cauda, tenta desesperadamente voltar para o carro de seu dono. 

Conforme a Polícia Civil, as imagens, classificadas como "chocantes", despertaram a atenção das autoridades locais que se empenham na resolução desse caso. 

Isso porque, através das redes sociais, os vídeos do abandono atingiram aproximadamente 30 mil visualizações após as divulgações, apontam as autoridades locais. 

Abaixo, você confere as imagens feitas do interior de um veículo que trafegava atrás do Volkswagen cinza, que inclusive ajudaram a polícia a localizar o suspeito.

Crime

Através do trabalho da 1ª Delegacia de Polícia Civil de Corumbá, foi iniciada a investigação para identificar o responsável pelo ato de crueldade, que será indiciado pelo crime de maus-tratos. 

Com a revolta dos moradores locais, a população tem se mobilizado em busca de "justiça e punição para o autor do abandono", expõe a PC em nota, sendo que as Organizações Não Governamentais (ONGs) de Corumbá colaboram com a polícia para o resgate do animal. 

Importante ressaltar a Lei Federal 9.605, que há mais de 25 anos, desde 1998, classifica como crime a prática do abandono de animais. 

Inclusive o aumento da pena por essa prática, fixado em reclusão de dois a cinco anos - além de multa e proibição de guarda - foi aprovado e está em vigor há cerca de quatro anos, pela Lei Federal 14.064.

Em Campo Grande, pelo menos desde 2005 a cidade tentar legislar sobre a causa, e por meados de  2008 a Capital já buscava regulamentar a chamada posse responsável, que começou como forma de incentivar a castração de animais domésticos, para combater a proliferação de doenças transmissíveis de animais ao homem (zoonoses).

Em 2020 alguns dispositivos foram alterados e a Lei Complementar N°392, do então prefeito Marquinhos Trad, chegou a prever multa de até R$ 3,3 mil se comprovados maus-tratos animais. 

Assine o Correio do Estado

DENGUE

Vacinas a vencer devem ir a outras cidades ou dadas para público de 4 a 59 anos

Campo Grande registrou sua primeira morte por dengue ainda no dia 15 de junho, sendo que até o dia 06 deste mês quatro óbitos pela doença já tinham sido confirmados em MS

23/06/2024 09h29

De acordo com da pasta, essa trata-se de uma

De acordo com da pasta, essa trata-se de uma "estratégia temporária" Marcelo Victor/Correio do Estado

Continue Lendo...

Nota técnica divulgada pelo Ministério da Saúde informa que doses da vacina da dengue, com o prazo próximo ao vencimento entre junho e julho, devem ser remanejadas para cidades ou usadas para ampliar a faixa etária atendida.

De acordo com da pasta, essa trata-se de uma "estratégia temporária", fornecendo as seguintes orientações aos Executivos: 

Estados que tenham municípios que ainda não foram contemplados com vacina devem, preferencialmente, remanejar doses próximas ao vencimento para esses territórios. 

Já nos Estados em que todas as cidades tenham sido contempladas, essas doses podem ser aplicadas em todas as pessoas de 6 a 16 anos. 

Importante esclarecer, conforme Organização Mundial da Saúde (OMS), que essa é faixa etária recomendada para a vacina Qdenga, da Takeda, aplicada no território nacional. 

Em caso de necessidade de ampliação da faixa etária vacinada, a idade recomendada é dos 4 aos 59 anos, conforme a bula da vacina no Brasil.

Apontamentos

Conforme o Ministério, a estratégia definida por cada ente federativo necessariamente precisa ser informada, para a garantia da segunda dose dessas pessoas.

Também, a pasta diz que comprou todas as doses oferecidas pela farmacêutica japonesa, entretanto, como há limitação, foi definido que, neste ano, seriam vacinadas apenas crianças de 10 a 14 anos em 521 municípios.

O Ministério da Saúde afirma, dentro da faixa orientada pela OMS, que esse grupo concentra o maior número de hospitalizações

Vale lembrar que essa não é a primeira vez em 2024 que a pasta faz recomendação do tipo, já que as doses que venciam em abril também passaram por remanejamento. 

O Brasil enfrenta a pior epidemia de dengue da história, sendo mais de 6 milhões de casos prováveis registrados e mais de 4 mil mortes, conforme dados do painel de dados da pasta da Saúde.

Campo Grande registrou sua primeira morte pela doença ainda no dia 15 de junho, sendo que até o dia 06 deste mês quatro óbitos pela doença já tinham sido confirmados em Mato Grosso do Sul

Assine o Correio do Estado

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).