Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

No Hospital Regional, 22 profissionais de Saúde com Covid-19 desfalcam a linha de frente

Médicos, enfermeiros e fisioterapeutas fazem falta no momento em que ocupação das UTIs atinge 98%
08/07/2020 16:14 - Eduardo Miranda


Com 98% dos leitos de unidade de tratamento utensivo (UTI) ocupados, o Hospital Regional de Mato Grosso do Sul enfrenta mais um problema: tem 30 profissionais infectados pela Covid-19, 22 deles da linha de frente. Todos estão afastados de suas funções.  

Dos 22 profissionais da linha de frente infectados, dois são fisioterapeutas, sete médicos, nove técnicos de enfermagem, duas enfermeiras, um é auxiliar de enfermagem e outro fonoaudiólogo. 

Em todo o Estado, são 1.547 profissionais de saúde infectados pelo coronavírus. “Não temos como repor esses trabalhadores da linha de frente de forma tão rápida quanto a intensidade da doença. Vamos e sobrecarregar nossos colaboradores antes mesmo no sistema, que já se mostra bem próximo da nossa realidade. Se a população não colaborar, não praticar o isolamento social, usar máscaras e se proteger, vai faltar profissionais, leitos, respiradores e vamos perder muitas vidas humanas”, afirma a diretora-presidente do Hospital Regional, Rosana Leite de Melo.

NO LIMITE

Com 98% das UTIs ocupadas, o Regional avançou no plano de contingência. Em um período de 24 horas, a ocupação do hospital, referência para o tratamento da Covid-19 em Campo Grande e no Estado, saltou de 80% para 98%.  

“É algo que nos assusta muito. Vamos tomar medidas emergenciais aqui no hospital para conter esse avanço, mas sem que a população se conscientize que somente eles podem parar avanço exponencial do vírus, fica impossível fazer algo. Vai faltar leitos, respiradores, medicamento e infelizmente vidas vão se perder”, declarou a diretora do Regional, Rosana Leite de Melo.

Para abrir mais vagas no Regional, durante toda a tarde desta quarta-feira (8), os pacientes “não-Covid” estão sendo transferidos para outras unidades hospitalares, a maioria deles para a Santa Casa e o Hospital de Câncer Alfredo Abrão.  

Com esta medida, chamada de contrarreferenciamento, o Hospital Regional espera liberar pelo menos 30 leitos clínicos e 10 leitos de UTI nos próximos dias.  

Também começam a ser implantados, durante esta semana, 10 leitos de UTI doados pela JBS ao Estado.  

“Vimos nesse período de 4 meses uma mudança comportamental do vírus, que fez nosso escalonamento de acionamento dos níveis, bem como as taxas de ocupação, fossem alterados para que pudéssemos acompanhar essa evolução. Foi assim que resolvemos acionar o hospital de campanha antecipadamente (no mês passado), e tivemos um resultado significativo”, comentou a diretora do Hospital Regional. “Agora, novamente, vamos mudar a estratégia para acompanhar esse aumento súbito de casos registrados dentro do Hospital Regional. O pior da doença está por vir”, acrescentou. 

 
 

AUMENTO NA CAPITAL

O boletim epidemiológico divulgado pelo governo de Mato Grosso do Sul nesta quarta-feira (8) indica 11.063 casos de Covid-19 no Estado. O número de internações está cada vez mais alto. São 244 leitos ocupados, 111 deles de pacientes que estão em UTIs.  

De todos os casos da doença causada pelo coronavírus em MS, 3.408 estão em isolamento domiciliar, 7.291 estão recuperados, e 134 pessoas morreram.  

Com 3.579 casos confirmados (188 somente nas últimas 24 horas), Campo Grande é, desde a semana passada, a cidade com mais pessoas com Covid-19. Dourados tem 3.135 casos.  

Para frear o avanço da Covid-19 na Capital, a partir desta quarta-feira, a prefeitura ampliou o horário do toque de recolher: das 20h às 5h da madrugada seguinte. Até ontem, o horário restritivo começava às 23h. 

 

Felpuda


Entre sussurros, nos bastidores políticos mais fechados, os comentários são que história apregoada por aí teria sido construída para encobrir o que realmente foi engendrado em conversa que resultou em negociata. 

O script foi na base do “você finge que é assim, e nós fingimos que acreditamos”. 

Batido o martelo, a encenação prosseguiu e, conforme o combinado, deverão ser apresentados novos episódios.

Ah, o poder!