Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PLACAS FINAL 7 E 8

No último dia do prazo, cerca de 100 mil ainda não pagaram licenciamento

Veículos de placas final 7 e 8 devem ser licenciados até hoje; Trafegar sem licenciamento é infração gravíssima
31/08/2020 11:29 - Glaucea Vaccari


Prazo para o pagamento do licenciamento de veículos com placas de final 7 e 8 termina nesta segunda-feira (31) em Mato Grosso do Sul.

No último dia do prazo, cerca de 100 mil veículos ainda não colocaram a documentação em dia.  

Motorista que não efetuar o pagamento e for flagrado com veículo não licenciado comete infração gravíssima.  

No Estado, são 328.574 veículos com placas terminando em 7 ou 8.

Para realizar o pagamento, o proprietário do veículo pode utilizar canais online, sem a necessidade de sair casa, podendo obter a guia de licenciamento no site do Detran-MS.

Em setembro 164.354 veículos com placa final 9 devem ser licenciados, sendo 100.569 automóveis e 48. 027 motocicletas.  

Já o licenciamento para placas de final 0 será em outubro.

 
 

Licenciamento

O licenciamento é um procedimento anual e obrigatório que autoriza o veículo a circular pelas vias, atestando que o automóvel encontra-se em conformidade com as normas de segurança e ambiental para o setor automotivo.

Para pagamento neste mês, dentro do prazo, taxa é de R$ 163.57 ; já quem pagar fora do prazo de validade o valor sobe para R$ 212.37, conforme consta na relação de taxas do Detran. 

Quem realiza o pagamento em dia pode parcelar no cartão de crédito em até 12 vezes, com a regularização imediata da situação do veículo.

Em caso de trafegar com veículo não licenciado, o artigo 230 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) prevê aplicação de multa de R$ 293,47, sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH), e remoção do veículo.

 

Felpuda


Questão de família acabou descambando para o lado da política, e a confusão já é do conhecimento público. 

A queda de braço tem como foco a troca de apoio político que, de um, foi para outro. Sem contar as ameaças de denúncia da figura central do imbróglio. 

A continuar assim, há quem diga que nenhum dos dois candidatos a vereador envolvidos na história conseguirá ser eleito. Barraco é pouco!