Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BOLETIM

Número de casos de Covid-19 em MS triplica em 14 dias

Macrorregião de Dourados apresentou aumento de mais de cinco vezes no mesmo período
15/06/2020 12:47 - Adriel Mattos


O número de casos de Covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus) triplicou em duas semanas. O secretário de estado de Saúde, Geraldo Resende, explicou que o crescimento pode ser observado com base no comportamento de outras doenças respiratórias.

“Avisamos por várias vezes que haveria um grande aumento no número de casos entre a 21ª e a 25ª semana epidemiológica, o que veio a se confirmar. Verificamos que na semana passada tivemos três vezes mais casos que na 23ª semana, ou seja, triplicamos o número em duas semanas”, relatou durante transmissão ao vivo do Governo do Estado na rede social Facebook.

Na semana passada, a pasta confirmou 1103 casos, 714 há duas semanas, 560 três semanas atrás e 350 há quatro semanas. Nas últimas 24 horas, o Estado registrou mais 118 casos e duas novas mortes.

 
 

CENÁRIO

Enquanto as macrorregiões de Campo Grande e de Dourados estão em uma curva ascendente de casos, as macrorregiões de Três Lagoas e de Corumbá apresentam queda nos registros.  

Na região de Três Lagoas, foram registrados 21 casos na 21ª semana epidemiológica, 45 na 22ª semana, 23 na 23ª semana, e na semana passada, mais uma vez foram confirmados 23 casos. A parcial desta semana é de 13 confirmações.

Na macrorregião de Corumbá, 19 casos foram confirmados na 21ª semana, oito na 22ª semana, 60 na 23ª semana, e na última semana, 46 casos foram confirmados. Até esta semana, nove casos foram registrados.

Por outro lado, a região de Campo Grande vinha em curva descendente de casos. Apesar do aumento na 21ª semana, que teve 189 casos contra 90 na 20ª semana, a Capital e os municípios do entorno registraram 159 e 139 casos nas duas semanas seguintes, respectivamente. Porém, esse número saltou para 350 na semana passada e já soma 87 confirmações nesta semana.

Macrorregião que mais preocupa as autoridades estaduais, Dourados observa um crescimento cada vez maior a cada semana. Na 20ª semana, eram 37 casos, 121 na 21ª semana, 348 na 22ª semana e 492 na 23ª semana. Na semana passada, o número de confirmações foi de 684 e até esta semana, foram feitos 207 novos registros.

Resende pediu que os municípios acompanhem cada vez mais de perto os pacientes em quarentena. “Quero pedir aos secretários e secretárias municipais que coloquem suas equipes de Vigilância em Saúde e de atenção primária para acompanhar a quarentena de todos os seus pacientes e seus contatos, porque essa é uma das medidas mais importantes para controlar a pandemia”, destacou o secretário.

 
 

DADOS ESTADUAIS

Hoje, Mato Grosso do Sul chegou a 3.551 casos. Entre ontem e hoje, mais 118 casos foram confirmados. A Secretaria de Estado de Saúde (SES) também notificou mais duas mortes, totalizando 33 no Estado.

A primeira trata-se de um idoso de 81 anos, que morreu no domingo (14) em Dourados, e era hipertenso. A segunda morte é de outro idoso, de 67 anos, portador de doença renal crônica, que faleceu em Deodápolis no último sábado (13).

Dos 118 novos casos, 59 foram registrados em Dourados e 36 em Campo Grande. Fátima do Sul e Itaporã confirmaram cinco casos cada. Caracol, Corumbá, São Gabriel do Oeste e Vicentina registraram novos dois casos cada.  

Cassilândia, Deodápolis, Iguatemi, Maracaju e Paranaíba confirmaram um novo caso cada. Procedimento que já é comum, Ladário eliminou um caso de sua base de dados. Isso acontece quando as autoridades locais identificam que o paciente apenas recebe atendimento na cidade e não reside no município.

Mais 88 pessoas se recuperaram da Covid-19, totalizando 1.907. 80 pacientes estão internados, sendo 47 em leitos clínicos e 36 em Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Duas pessoas de São Paulo e um boliviano são tratados no Estado, mas não contabilizadas pela SES.

Dessas 47 pessoas em leitos clínicos, 20 estão em leitos públicos. As outras 26 estão em hospitais privados, e mais uma de São Paulo ocupa leito privado. Entre os 36 internados em UTI, 21 ocupam leitos públicos e 15 pessoas estão em hospitais privados. Com isso, a taxa de ocupação de leitos clínicos é de 7,2% e dos de UTI é de 19,6%.  

 

Felpuda


Apressadas que só, figurinhas tentaram se “apoderar” do protagonismo de decisão administrativa. Não ficaram sequer vermelhas quando se assanharam todas para dizer que tinham sido responsáveis pela assinatura de documento que, aliás, era uma medida estabelecida desde 2019. Quem viu o agito da dupla não pode deixar de se lembrar daquele pássaro da espécie Molothrus bonarienses, mais conhecido como chupim, mesmo. Afe!