Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

O que abre e o que fecha no 2º lockdown de fim de semana

Prefeitura alterou decreto durante a semana e mais serviços podem funcionar
24/07/2020 14:30 - Glaucea Vaccari


Este fim de semana é o último em que atividades consideradas não essenciais não podem abrir as portas em Campo Grande. 

Durante a semana, prefeitura publicou algumas alterações no decreto, permitindo mais serviços a funcionarem, como o drive-thru para banho e tosa em pet shops, por exemplo.

Medida tem como objetivo diminuir o contágio do coronavírus em Campo Grande, que vem registrando alto número de casos diariamente. 

O decreto, que inclui fechamento no fim de semana de atividades não essenciais e restrições para funcionamento durante a semana, tem vigência até o dia 31 de julho. Prefeito não informou se haverá prorrogação. 

Toque de recolher é das 20h às 5h.

Assim como no fim de semana passado, todas as atividades comerciais, incluindo os não essenciais, podem funcionar por meio de delivevy. 

 
 

O que pode abrir

  • Serviços de assistência à saúde, incluindo atividades da atenção primária a saúde e serviços médicos e hospitalares;
  • Farmácias e drogarias;
  • Hipermercados, supermercados, mercados, açougues, peixarias, hortifrutigranjeiros, quitandas, padarias e centros de abastecimento de alimentos, respeitando o horário do toque de recolher.
  • Bancas de feiras livres de hortifruti;
  • Serviços de infraestrutura, tais como fornecimento de água, esgoto, limpeza urbana, energia elétrica, distribuição de gás, telefonia e internet;
  • Atividades relacionadas à cadeia de resíduos;
  • Postos de combustíveis e serviços de apoio em rodovias;
  • Atendimento médico veterinário;
  • Serviços de entregas (delivery) e de segurança particular;
  • Serviços funerários;
  • Serviços de hospedagem;
  • Serviços de mobilidade urbana;
  • Atividades religiosas, respeitando o horário do toque de recolher;
  • Ações de fiscalização e exercício do poder de polícia em geral;
  • Agências bancárias, com funcionamento exclusivo para pagamento de benefícios em caráter de auxílio emergencial;
  • Casas lotéricas podem funcionar exclusivamente para pagamento de benefícios em caráter de auxílio emergencial;
  • Construção civil;
  • Imprensa;
  • Drive-thru de restaurantes, lanchonetes e pet shops;
  • Aulas presenciais teóricas em cursos livres, técnicos ou preparatórios em geral, com apenas 30% da capacidade ocupada e dentro do plano de contenção de riscos, caso haja um para o estabelecimento;
  • É permitido o funcionamento em shoppings centers, feiras e centros comerciais apenas dos estabelecimentos que se enquadrem nas atividades de hipermercados, supermercados, mercados, açougues, peixarias, hortifrutigranjeiros, quitandas, padarias e centros de abastecimento de alimentos;
  • Serviços de reparos emergenciais podem funcionar via delivery, ou seja, o prestador do serviço pode se dirigir ao local onde é necessário fazer o reparo. Exemplo, borracharias, serviços de mecânica ou similares.
  • Serviços prestados por funcionários de condomínios, relacionados à zeladoria e segurança particular, devem permanecer em funcionamento durante os períodos de paralisação;
  • O transporte coletivo só poderá atender usuário que comprove ser trabalhador dos serviços essenciais, por isso poderá ser cobrada a apresentação de documento que comprove, como crachá de identificação ou carteira de trabalho.
 

O que não pode abrir

  • Bares, restaurantes, lanchonetes, lojas de conveniências;
  • Comércio em geral;
  • Shoppings;
  • Lojas de galerias em hipermercados;
  • Academias,
  • Salões de beleza e estética;
  • Barbearias;
  • Tabacarias;
  • Oficinas mecânicas e lava-jatos;
  • Escritórios;
  • Entre outros que não constam na lista de atividades essenciais.
 

Felpuda


Candidato a vereador caiu em desgraça, pelo menos em um dos bairros de Campo Grande, ao promover comício em ginásio de esporte, com direito a ônibus lotados e espoucar de muitos fogos de artifício.

Aí dito-cujo foi alvo de muitas críticas, tanto pela zoeira causada, como por ter mandado às favas quaisquer cuidados na prevenção da Covid-19, ao promover grande aglomeração. Irresponsabilidade é pouco, hein?!