Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SEMINÁRIO

Obra de asfalto em rua esburacada que dá acesso a UCDB será retomada

Projeto também fará drenagem e pavimentação em via do Jardim Seminário que alaga em dias chuvosos
09/03/2020 12:52 - Daiany Albuquerque


 

Foi homologado o resultado da licitação para contratação de empresa para a execução de obra de manejo de águas pluviais, pavimentação asfáltica, mobilidade e acessibilidade, sinalização viária nas regiões urbanas do Imbirussú e Segredo, no Jardim Seminário. As obras vão garantir asfalto na rua Marechal Câmara, por exemplo, que dá acesso à Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e que está cheia de valetas provocadas por erosão.

O documento foi publicado no Diário Oficial de Campo Grande (Diogrande) desta segunda-feira. A empresa que venceu a concorrência foi a DMP Construções Ltda e, segundo estimativa do titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep), Rudi Fiorese, até o final de abril a ordem de serviço para o início das obras deve ser assinado e publicado.

O projeto prevê investimento de R$ 6.818.922,06 na implantação de 1,8 km de drenagem, 3,2 km de pavimentação e 2,5 km de recapeamento, além de calçadas e sinalização. 

As obras desse plano começaram a ser executadas há seis anos, entretanto não tiveram fim por problemas com a empresa vencedora. A licitação inicial foi feita em 2014, na gestão do ex-prefeito Alcides Bernal (PP) e teve como vencedora a Selco Engenharia LTDA.

Em 2017, no início da atual gestão, a empresa havia concluído apenas cerca de 40% da obra. Como ela acabou suspensa pela Prefeitura por problemas na documentação, todos os contratos ativos com ela foram rompidos. Do que foi executado, estão prontos a travessia sobre o Córrego Seminário e o asfalto no trecho entre as ruas Tenente Lira e São Basílio e parte da São Justino.

Esta nova licitação prevê a execução de 940 metros de asfalto nas ruas Marechal Câmara e São Faustino, que abre um novo acesso à UCDB. Na Marechal Câmara, faltam 820 metros de asfalto entre as ruas São Basílio e São Maximiliano. Atualmente o acesso à universidade é feito pela avenida Tamandaré e rua Cardeal Arcoverde.

Também será recapeado um trecho de 700 metros na avenida Tamandaré (entre a Presidente Roosevelt e a rua Lateral). O restante da avenida, desde a Julio de Castilho, foi recapeado ano passado. Também serão recapeadas a rua do Seminário e a avenida Padre João Falco. Vão receber asfalto novo as ruas Teodomiro Serra, Seriema, Araras, Luisa Ribeiro, Bem Te Vi, Doutor Laureano, Theodoro Serra e Dois de Outubro.

Moradora da rua Marechal Câmara há 7 anos, a comerciante Regiane dos Santos Miyashiro, 36 anos, conta que em dias de muita chuva a família não consegue colocar o carro dentro da garagem. “Toda vez que chove abre uma vala na rua e a gente acaba fazendo um verdadeiro rali para entrar em casa. Em alguns dias a gente não isso consegue, estacionamos onde tem asfalto e descemos a pé”.

Segundo ela, desde sua mudança há a promessa de que a via será asfaltada, o que ainda não foi concluído. “Já chegaram a colocar estacas na rua, passar o trator para nivelar, mas na hora de asfaltarem parou tudo e estamos até hoje esperando”.

Com três filhos, duas adolescentes de 16 e 14 anos e um bebê de 1 ano, a comerciante diz que devido ao estado da rua, poucas pessoas transitam pelo local, apesar de ser um acesso à universidade. Para ela, essa “paradeira” incentiva ladrões a praticarem assaltos na região.

“Já entraram na minha casa quatro vezes, nunca paro com televisão. Meus vizinhos também já foram roubados várias vezes. Eu acho que se tivesse asfalto, as pessoas passariam mais por aqui e ficaria mais difícil e acontecer esse tipo e roubo”, lamentou.

 
 

DRENAGEM

Outro problema que promete ser resolvido com essas obras são os alagamentos que ocorrem no Complexo Sírio Libanês. Serão investidos R$ 6 milhões na execução de 881 metros de drenagem, 5,8 km de recapeamento e 1 km de pavimentação.

Estão programadas obras de drenagem e controle de enchentes no Jardim Paradiso. Conforme a secretaria, o objetivo é criar uma rede de drenagem para escoamento das águas pluviais até o Córrego Frutuoso (afluente do Segredo) que atravessa a Tamandaré. 

A rua Três Marias receberá drenagem e pavimentação. Ela que captará a enxurrada que desce de um bairro vizinho, o Nossa Senhora das Graças. Isso evitará o alagamento da via e das vias perpendiculares a ela.

Quando chove forte, toda esta enxurrada do bairro vizinho desemboca na rua, colocando em risco a pavimentação de ruas como Ângela Abdulahad e Carlinda de Almeida Lemos, onde quando chove forte, a enxurrada leva o asfalto. Estão programadas obras nas ruas Lindóia, Monte Azul, Itabira, Benedito Terra, Rosário Congro, Bonança e General Benedito Xavier.

Segundo o mecânico industrial Wilson Moisés Santos Oliveira, 38 anos que mora no cruzamento da Três Marias com a Monte Azul, a enxurrada desce com força em duas de chuva e fica perigoso transitar pela via. “É muita água, então elas descem e acabam acumuladas aqui na Três Marias, que fica alagada. Sem contar a água que desce para as ruas pavimentadas e arranca o asfalto”.

Ainda de acordo com a Sisep, serão executados 5,8 km de recapeamento na região, abrangendo a avenida Florestal e a rua Bacabal, acessos ao conjunto habitacional Coophatralho, além da avenida Julio Maksoud, no bairro Monte Castelo.

 

Felpuda


Na troca de alfinetadas entre partidos que não se entenderam até agora sobre eventual aliança, uma outra peça está surgindo: trata-se do levantamento completo sobre investimentos feitos, recursos liberados, parcerias em todas as áreas, além do prazo de quando tudo isso começou. Caso os palanques venham a ficar distanciados, a divulgação será feita à exaustão durante a campanha eleitoral, para mostrar quem é quem na história. Os bombeiros continuam atuando.