Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MOBILIDADE VERSUS COMODIDADE

Obra na Bandeirantes entra na reta final com ameaça de debandada de comerciantes

Empresários reclamam da instalação do corredor de ônibus do lado esquerdo da via
02/03/2020 13:00 - Ricardo Campos Jr


 

Com esforço extra das equipes de trabalho, as obras de recapeamento da Avenida Bandeirantes estão prestes a terminar diante de uma previsão de debandada dos comerciantes do lado esquerdo da via, por onde passará o corredor do transporte coletivo. Eles reclamam da dificuldade que os clientes terão para estacionar e entrar nos estabelecimentos.

A Prefeitura chegou a divulgar no site de notícias oficial do município que as obras terminariam nesta terça-feira (3), mas o texto foi corrigido.

Hemerson Assola é dono de uma loja de veículos. Ele disse ao Correio do Estado que aguarda o fim do contrato de locação do prédio para arrumar outro ponto, o que deve acontecer em oito meses.

“O recapeamento tinha que ter mesmo, mas não com esse corredor do lado oposto à faixa que os ônibus já trafegam. Aqui é uma das vias que mais geram impostos pela quantidade de imóveis comerciais, acho que o poder público deveria ter nos ouvido, ter um olhar diferenciado”, reclamou.

Ninguém sabe ao certo onde ficarão as estações de embarque e desembarque. Pela colocação do piso de concreto em frente da loja dele, Hemerson acredita que ficará em frente de um deles.

“Aqui não é um local com fluxo de pedestres. Ninguém desce aqui. Quem vai ao Centro, vem dos terminais e passa direto por aqui. Eles deveriam ter feito uma pesquisa”.

O problema também afeta quem empreende do lado direito da via. Jakelyne Biasibelli tem uma loja de materiais elétricos e já está mudança. “Só fico aqui até o fim de março”, comentou à reportagem do jornal Correio do Estado.

“Esse recapeamento ficou excelente, o problema é o corredor. Com um ponto em frente à loja, mesmo do lado oposto, ninguém vai conseguir estacionar”, comenta. O novo ponto fica a algumas quadras do lugar atual, mas em uma rua transversal à Bandeirantes.

Segundo ela, quem tem imóveis comerciais para alugar não está conseguindo encontrar inquilinos. Por outro lado, os pontos distantes das estações de embarque e do lado direito da via, que serão beneficiados, poderão ter os valores de alugueis aumentados.

AVANÇO

Em pleno sol de meio-dia, um grupo com cerca de dez homens trabalhava duro para terminar as calçadas perto do cruzamento com a Avenida Salgado Filho. Outra frente atuava perto do antigo Comper, mas havia feito pausa para o almoço nesse horário.

O asfalto está praticamente pronto. Faltam trechos de concreto polimerizado no corredor de ônibus, onde o material tem que ser mais resistente para aguentar o peso dos veículos.

Apenas alguns trechos já receberam esse revestimento. Funcionários da empresa contratada para executar o serviço garantem que o piso especial deverá ser colocado em toda a avenida, não apenas nas estações de embarque e desembarque.

Dos 3,8 quilômetros de extensão da via, 75% já estão com asfalto novo, sendo 2,8 km entre a Avenida Afonso Pena e o cruzamento com a Rua José Paes de Farias.

Conforme levantamento da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep), o asfalto da Avenida Bandeirantes, feito há mais de 30 anos, praticamente não oferecia mais condições de trafegabilidade para os 40 mil veículos que diariamente passam pela via. A pista estava tomada pelos remendos decorrentes de sucessivos tapa-buraco.

Do projeto previsto para a Avenida Bandeirantes, 90% da drenagem está pronta; 70% do pavimento rígido nos locais onde haverá estação de pré-embarque e 90% do calçamento foram refeitos.

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.