Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

SOFRIMENTO SEM FIM

Além das patas queimadas pelas queimadas, onças também foram feridas a tiros, indicam exames

Exames apontam balas alojadas no corpo das duas onças-pintadas resgatadas durante queimadas no Pantanal.
13/11/2020 17:01 - Thais Libni


Encontradas por voluntários que ajudavam ao combate dos incêndios na Serra do Amolar, no Pantanal de Mato Grosso do Sul, as duas onças-pintadas macho adultas que foram levadas para o Centro de Recuperação de Animais Silvestres de Campo Grande foram vítimas de disparos de arma de fogo, mostraram os exames feitos em Campo Grande. 

Elas foram resgatadas no início deste mês, totalmente debilitadas, cercadas pelas chamas, e apresentavam ferimentos pelo corpo, e patas queimadas, impossibilitando-as de se movimentarem para escapar das chamas. Uma delas morreu logo depois de ter chegado ao CRAS, na Capital. 

 

Descoberta

O exame de necropsia feito na onça que morreu logo após ter chegado em Campo Grande para ser tratada, que identificou o projétil, e alertou os veterinários para o ferimento no outro animal, que continua em tratamento. O projetil de arma de fogo foi encontrado alojado na região do tórax. 

Lucas Cazati, responsável técnico do CRAS, e veterinário do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), explica que o tiro apresenta ter sido disparado há alguns meses atrás, “Deve ter ocorrido há uns três meses.” 

O professor doutor Gilberto Facco, responsável por assinar o exame de necropsia, apresentou por extenso a análise do corpo, da seguinte forma,“A pele rebatida mostra musculatura esquelética também vermelho-escurecida, com lesão nodular de coloração pardacenta e firme ao corte. Aberta, mostra presença de projetil de grosso calibre, envolto por tecido granulomatoso sem hemorragia. Observa ainda em lobo cranial direito presença de estilhaço de projétil acima mencionado, restrito a pleura”. O tiro pode ter contribuído para a morte do animal, que já apresentava função pulmonar debilitada.

Com o seguinte resultado, um raio-x foi realizado na onça sobrevivente, a onde também encontraram uma bala alojada, na região toráxica. O ferimento foi realizado a alguns meses também, sendo um projetil de porte pequeno, mesmo com a cicatrização, Cazati avalia uma cirurgia para a retirada do metal. 

Além do raio-x, o animal passou por exames como , ultrassom, hemograma completo, funções hepática e renal. A onça apresenta melhoras em seu quadro, com cicatrização das queimaduras e eve permanecer ainda por uns três meses no CRAS até se recuperar completamente.

 
 

Investigação

O diretor presidente do Imasul, André Borges, esteve na Delegacia Especializada de Crimes Ambientais (Decat) e registrou Boletim de Ocorrência. Em nota Boger explica,“entendemos que é preciso investigar, procurar identificar os responsáveis e punir”, afirmou o diretor.

Investigações serão realizadas, o projetil foi encaminhado para análise no Instituto de Criminalística a onde o calibre e o tipo da arma poderão ser descobertos, ajudando a polícia a instaurar um inquérito e realizar as diligências na região identificação dos culpados. 

 
 

Felpuda


Outrora bons de votos – faziam adversários temerem o confronto nas urnas –, agora, por mais que tentem, alguns políticos não conseguem, nem de longe, alcançar patamar de outros tempos e voltar ao que eram. 

O pior é que, a cada disputa, a preferência popular só vem diminuindo. Neste ano, a eleição municipal demonstrou que muitos já estão com prazo de validade vencido e rótulo gasto.

E faz tempo, hein?!