Cidades

Hicsos II

Operação contra roubo de cargas
busca prender 40 em 5 estados e DF

Operação contra roubo de cargas
busca prender 40 em 5 estados e DF

Continue lendo...

Uma força-tarefa das polícias Federal, Rodoviária Federal e Militar realiza na manhã desta quinta-feira (10) a segunda fase de uma operação contra roubo de cargas em Goiás, no Distrito Federal e em mais quatro estados. Segundo as investigações, o prejuízo causado gira em torno de R$ 30 milhões.

São cumpridos 91 mandados judicias, sendo 40 de prisão. Ao todo, 450 policiais atuam em cidades de Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e no DF.

Denominada Hicsos II, ela é um desdobramento da operação Hicsos, realizada em fevereiro deste ano e que prendeu, na época, 30 pessoas.

Segundo a PF, o foco desta fase é um grupo de empresários e agentes políticos que davam suporte financeiro ao roubo de cargas em vários municípios brasileiros.

A polícia acredita que um dos envolvidos está foragido na Inglaterra. Por isso, será solicitado auxílio das autoridades britânicas e da Interpol para encontrá-lo.

Os envolvidos responderão pelos crimes de roubo qualificado, cárcere privado, lavagem de dinheiro, organização criminosa, tráfico de drogas e receptação.

Uma coletiva deve ser realizada nesta quinta-feira para dar mais detalhes sobre a operação.

Vídeo mostra ação

Um dos crimes atribuído ao grupo criminoso ocorreu no último dia 9 de junho. Um vídeo mostra o momento em que um caminhão passa pela BR-060, em Anápolis, a 55 km de Goiânia. De repente, após parar no quebra-molas, o motorista, de 45 anos, pulou do veículo para denunciar que estava sendo vítima de um assalto.

Três policiais da corporação faziam outra abordagem no momento e conseguiram render o assaltante, que foi preso e levado para a Central de Flagrantes.

Nas imagens de câmeras de segurança é possível ver quando o caminhoneiro passa pelo quebra-molas em velocidade reduzida. Antes que o veículo pare totalmente ele abre a porta, pula para fora e sai correndo e apontando para o caminhão. Em seguida, os policiais rendem o jovem, de 22 anos, que saiu pela janela e entregou o revólver de calibre 38 que usava no assalto.

Segundo a PRF, a vítima relatou que foi rendida pelo assaltante enquanto passava por Abadiânia. Conforme o relato, o jovem e um comparsa pararam o veículo e o suspeito seguiu com o caminhoneiro enquanto o outro fugiu em um carro.

Primeira fase

A primeira fase da operação foi realizada no último dia 22 de fevereiro. Na ocasião, foram expedidos 82 mandados judiciais, sendo 37 de prisão preventiva, 14 de condução coercitiva, quando a pessoa é levada para prestar depoimento e 31 de busca e apreensão. Os alvos são as cidades de Goiânia, Anápolis, Aparecida de Goiânia, Trindade, Bela Vista, Leopoldo de Bulhões, Alexânia, Morrinhos, Campos Belos, além do Distrito Federal.

Também foram apreendidos 15 veículos roubados e 15 armas de fogo, além de recuperadas cargas roubadas avaliadas em mais de R$ 500 mil.

Segundo a força-tarefa, donos de supermercado, distribuidoras de alimentos e bebidas e até postos de combustíveis pagavam 50% do valor da carga para os criminosos. Após receberem a mercadoria, revendiam os produtos de origem ilegal.

"O dinheiro que era conseguido pelas quadrilhas era usado para cometer outros crimes. A quadrilha também atuava no tráfico de drogas e roubos de carros. Então, desmanchando essa quadrilha agora, também atingimos outros tipos de crimes", disse na época o superintendente da Polícia Federal, Humberto Ramos.

Ainda segundo a Polícia Federal, esses criminosos agiam de duas a três vezes por semana. "Eles não tinham outra profissão, era só essa de crimes mesmo. Então, eles roubavam para eles, roubavam para as quadrilhas, agiam com uma grande frequência", disse o superintendente.

Os criminosos chegavam a fazer falsas barreiras policiais, usando coletes de fiscalização e veículos equipados com sirene e giroflex. Eles paravam os caminhões e, caso se interessassem pela carga, anunciavam o assalto. Segundo o superintendente da Polícia Rodoviária Federal, Álvaro Resende, os crimes aconteciam principalmente na região de Anápolis.

Obras em 13 cidades

Governo federal suspende licitação das novas Casas da Mulher Brasileira; lista inclui Dourados

Controladoria-Geral da União entendeu que edital dava brecha para oportunistas e empresas com informações privilegiadas; Ministério da Justiça vai rever edital

24/06/2024 18h53

Primeira Casa da Mulher Brasileira do País fica em Campo Grande

Primeira Casa da Mulher Brasileira do País fica em Campo Grande Gerson Oliveira

Continue Lendo...

O Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) suspendeu o edital para a contratação de empreiteira para construir 13 novas unidades da Casa da Mulher Brasileira pelo país, incluindo uma em Dourados (MS), para atender às recomendações da Controladoria-Geral da União (CGU) e evitar possíveis irregularidades.

A União pretende licitar 13 unidades da Casa da Mulher Brasileira nas cidades de Dourados (MS), Maceió (AL), Belém (PA), Maringá (PR), Porto Velho (RO), Serra (ES), Natal (RN), Cuiabá (MT), Rio de Janeiro (RJ), Florianópolis (SC), João Pessoa (PB), Recife (PE) e Porto Alegre (RS).

A previsão no edital suspenso para alterações era de que, juntas, todas as novas Casas da Mulher Brasileira custassem R$ 249,7 milhões. A unidade de Dourados ficou com um preço intermediário: R$ 19,1 milhões.

Porta para oportunistas

O principal apontamento feito pela CGU foi no critério de julgamento adotado: maior desconto linear para subitens. Segundo a controladoria, tal critério permite o jogo de planilha, “visto que esse desconto poderá ser diferente para os itens de cada um dos 13 grupos em licitação, com a atribuição de preços significativamente menores a itens que, futuramente, possam vir a não ser executados”.

Conforme a CGU, o mais adequado seria que o desconto fosse único e linear em todos os itens da obra. Tal deficiência, pondera a controladoria, não é um impeditivo ao prosseguimento do certame, pois há outros mecanismos legais para coibir eventuais comportamentos oportunistas dos licitantes e dos contratados.

Em vez de descontos nos subitens, a CGU recomendou que o desconto fosse oferecido de forma linear.

O próprio Ministério da Justiça, em resposta, reconheceu que, da forma como estava, poderia beneficiar um licitante detentor de informação privilegiada.

O conhecimento sobre o tipo de fundação a ser aplicado na construção (o projeto da Casa da Mulher é padrão, igual para todas as unidades) poderia ser um diferencial em favor do licitante, por exemplo.

Custo de manutenção

A CGU ainda considerou o custo com a manutenção local do canteiro de obras muito elevado para algumas praças: Maringá, Serra, Rio de Janeiro, Florianópolis e Porto Alegre. Também questionou a indefinição dos terrenos das obras em Belém, Maringá, Porto Velho, Serra, Natal e Florianópolis.

A Casa da Mulher Brasileira

Segundo o governo federal, a Casa da Mulher Brasileira é uma inovação no atendimento humanizado às mulheres.  Integra no mesmo espaço serviços especializados para os mais diversos tipos de violência contra as mulheres: acolhimento e triagem; apoio psicossocial; delegacia; Juizado; Ministério Público, Defensoria Pública; promoção de autonomia econômica; cuidado das crianças – brinquedoteca; alojamento de passagem e central de transportes.

A Casa, um dos eixos do programa Mulher, Viver sem Violência, coordenado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República,  facilita o acesso aos serviços especializados para garantir condições de enfrentamento da violência, o empoderamento da mulher e sua autonomia econômica. É um passo definitivo do Estado para o reconhecimento do direito de as mulheres viverem sem violência.

Campo Grande (MS) foi a primeira capital brasileira a receber este empreendimento. Depois foram construídas unidades nas cidades Curitiba (PR), Fortaleza (CE), São Paulo (SP), Boa Vista (RR), São Luís (MA) e Salvador (BA). 

 

Assine o Correio do Estado
 

Cidades

Fábrica de brinquedos onde funcionário morreu é condenada pela justiça de MS

Justiça ordenou 15 obrigações e multa diária de R$10 mil a cada infração

24/06/2024 18h45

Fábrica de brinquedos onde funcionário morreu é condenada pela justiça de MS

Fábrica de brinquedos onde funcionário morreu é condenada pela justiça de MS Divulgação: MPT-MS

Continue Lendo...

A Justiça de Paranaíba determinou que a Gala - indústria de brinquedos e embalagens sediada no município de Aparecida do Taboado, cumpra 15 obrigações na contratação de empresas prestadoras de serviços, terceirizadas e profissionais autônomos. A ação tem como objetivo evitar condutas caracterizadoras de lesões ao meio ambiente de trabalho.

O juiz do Trabalho Marcio Kurihara Inada estabeleceu que a empresa deverá pagar a multa diária no valor de R$10 mil por dever infringido. 

Acidente Fatal

Em 2019, o MPT-MS instaurou inquérito com o propósito de apurar denúncia de acidente fatal ocorrido nas dependências da Gala - na ocasião, o trabalhador J.B.P, prestava serviço terceirizado de terraplanagem e cascalhamento para a indústria de brinquedos, quando, por ordem do empregador direto, ligou a bateria do rolo compactador à bateria de um caminhão de massa asfáltica que estava próximo da parte traseira do rolo.

Devido as inúmeras fraturas extensas, J. B. P. veio a óbito no caminho para a Santa Casa de Campo Grande.Segundo relatório da Superintendência Regional do Trabalho publicado em 2022, sete fatores contribuíram para o acidente fatal, incluindo a falta de qualificação do trabalhador, ausência de análise de riscos e de programas de prevenção adequados.

Após tentativas fracassadas de acordo extrajudicial, o Ministério Público do Trabalho (MPT-MS) ingressou com ação civil pública contra a Gala. A procuradora Juliana Beraldo Mafra destacou a conduta negligente da empresa em relação à segurança e saúde dos trabalhadores terceirizados.

"A Gala reiterou omissivamente em sua conduta contumaz de não acompanhar ou exigir que se cumpra as medidas de segurança e saúde no Trabalho pelas empresas contratadas. Neste sentido, lembra-se o acidente de trabalho fatal sofrido por outro trabalhador terceirizado, o qual faleceu por decorrência de queda ao efetuar a troca do telhado de um galpão da indústria".

Além disso, na ação, ela reforçou as falhas cometidas pela Gala ao contratar empresa que alugou equipamentos com falta de manutenção e por ter admitido funcionário sem treinamento, exames médicos, análise preliminar de serviços, assinatura da carteira de trabalho, dentre outras irregularidades.

Penalidades

Com aproximadamente 1 mil funcionários, segundo dados do Caged 2023, a Gala foi condenada a implementar medidas rigorosas, incluindo o uso correto de Equipamentos de Proteção Individual pelas empresas contratadas e a suspensão de pagamentos às prestadoras até regularização de eventuais irregularidades.

A sentença também obriga a empresa a informar previamente sobre os riscos ocupacionais aos contratados e a manter um inventário de riscos ocupacionais, com a ressalva de que não serão atingidos os salários dos empregados, nem as contribuições do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. 

Diante da possibilidade de recurso da empresa Gala, o MPT-MS planeja requerer a execução provisória das medidas para garantir o cumprimento imediato das obrigações estipuladas pela Justiça.

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).