Clique aqui e veja as últimas notícias!

CORONAVÍRUS

Tendência é de queda de casos da Covid-19 em Mato Grosso do Sul no fim de setembro

Especialista alerta que esse cenário positivo só será alcançado com a manutenção das medidas de prevenção, como o distanciamento social e o uso de máscara
05/09/2020 09:00 - Daiany Albuquerque


Entre o fim deste mês e o começo de outubro pode ser registrada queda no número de casos da Covid-19 tanto em Campo Grande como em Mato Grosso do Sul. 

Segundo o médico infectologista e pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Julio Croda, a tendência é de que a estabilização se mantenha neste mês e que essa queda se inicie nesse período.

“A tendência para setembro no Estado de Mato Grosso do Sul, por enquanto, é de estabilidade. A gente não sabe por quanto tempo ficaremos nesse padrão de estabilidade em número de casos e de mortes em relação à média móvel”, avalia.

Ele prossegue destacando que o Estado já atingiu o platô da pandemia, ou seja quando boa parte da população já foi infectada.

“É difícil prever até o fim de setembro, eu acredito que a gente não vai ter um aumento importante em termos de número de casos e de óbitos. A gente vai permanecer nesse platô e em algum momento no mês de setembro ou outubro a gente vai ter uma queda no número de casos e de óbitos na cidade de Campo Grande, que é o epicentro da doença, e em todo o Estado”, avaliou o pesquisador.  

Atualmente, em Mato Grosso do Sul a média móvel diária de casos é de 751 e praticamente metade vem de Campo Grande, com 321 casos por dia, conforme a média móvel apresentada nesta sexta-feira (4) pelo governo do Estado.

A média móvel é feita usando os dados do dia somados com mais seis anteriores e divididos por sete, o que dá uma dimensão real de como anda a evolução da pandemia.

Desde o mês passado, a média de casos tem se mantido acima de 600 por dia no Estado e 300 na Capital.

“A gente está vendo a diminuição do número de casos reportados diariamente e a tendência de diminuição do número de casos é o de óbitos também cair. Ainda não atingiu aquela porcentagem de 15% de variação da média móvel, mas está muito próximo disso, então eu acho que a próxima etapa é ter queda no número de casos e de óbitos”, disse Croda.

Porém, segundo ele, a queda real dos casos e mortes depende também das medidas preventivas adotadas pelas pessoas. 

“É muito difícil de prever quando isso vai acontecer, porque depende muito da dinâmica local e da população manter as medidas preventivas, como o uso de máscara, o distanciamento e a lavagem frequente das mãos”.