Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SÃO JULIÃO

Para zerar fila, hospital vai fazer 120 cirurgias eletivas por mês

Cirurgias serão realizadas para doenças de hérnia e vesícula
29/02/2020 12:30 - Natalia Yahn


Com 1,2 mil pessoas na fila aguardando a realização de cirurgias eletivas de hérnia e vesícula pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Mato Grosso do Sul, convênio entre o Hospital São Julião e o município de Campo Grande pode ajudar a diminuir a espera.

Emenda parlamentar do senador Nelson Trad Filho (PSD), garantiu aporte de R$ 2,3 milhões para a execução dos procedimentos - por vídeo. O repasse foi formalizado ontem (28) em ato com a presença do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

O diretor-administrativo do hospital São Julião, Amilton Alvarenga, informou que a expectativa é de que as cirurgias sejam iniciadas ainda na primeira quinzena de março. Conforme o diretor, uma equipe de quatro profissionais médicos cirurgiões foi montada para atender a demanda. “Iremos receber essa demanda que está sendo filtrada pelo município e a partir de então vamos começar a agendar as cirurgias. A previsão é de que conseguimos manter a média de 100 a 120 cirurgias por mês”.

“Através de iniciativas como esta construída em conjunto é possível beneficiar milhares de pessoas que estão aguardando há muito tempo por uma cirurgia”, afirmou Trad Filho.

O secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, destacou que a parceria com o hospital São Julião será fundamental para atender boa parte da demanda, com possibilidade de novos projetos para a realização de outros procedimentos. “Esse programa é extremamente importante porque vamos conseguir atender essas pessoas que estão ai há mais de três anos esperando. Uma cirurgia menos invasiva, feita por video, com possibilidade de recuperação mais rápida”.

Na avaliação do ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta dar mais celeridade as cirurgias eletivas são fundamentais para garantir que o paciente tenha menor risco de complicação. “A cirurgia deve ser feita no tempo certo. Se um paciente está com uma hérnia estrangulada, por exemplo, ele pode ter complicação severa e parar no CTI. Isso traz riscos a ele e também acaba onerando o município, pois a conta fica mais cara. Se você atender esse paciente dentro da sua necessidade, não há esse agravante”.

PLANOS

Durante a solenidade o ministro anunciou que deve viabilizar recursos para o hospital São Julião investir na formação de profissionais de saúde e também indicar a unidade hospitalar como um dos polos de pesquisa que serão instituídos pelo ministério para a hanseníase. “O hospital São Julião é representativo para Mato Grosso do Sul, em especial para Campo Grande. Existe um legado construído através do trabalho da irmã Sílvia (Vecellio) nas últimas décadas, que precisa ser reconhecido como excelência”, disse Mandetta.

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.