Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PANDEMIA

Paraguai terá flexibilização da quarentena, mas reabertura da fronteira ainda é incerta

Mesmo após reunião, autoridades paraguaias não decidiram reabertura
28/04/2020 10:42 - Bruna Aquino


 

Depois de passar por um período rigoroso de isolamento social por conta da pandemia do novo coronavírus, incluindo o fechamento da fronteira, autoridades paraguaias decidiram flexibilizar a quarentena rígida já no próximo mês, mas ainda está relutante quando a liberação da fronteira, principalmente em Pedro Juan Caballero que faz divisa com o município sul-mato-grossense, Ponta Porã. 

No próximo dia 4 de maio, o Paraguai começa a executar a flexibilização em fases, já que o país não teve aumento de mortes nos últimos dias. Com uma população de pouco mais de 7 milhões de habitantes, o país sul-americano registrou, até domingo, 228 casos da Covid-19, nove mortos e 93 pacientes recuperados da doença. Com isso, está entre os menos afetados da região. 

Mesmo soltando as rédeas para a quarentena, as autoridades paraguaias ainda não pretendem liberar o acesso à fronteira mesmo com soluções provisórias como uma barreira sanitária. A circulação das cidades vizinhas proporciona o aumento do comércio nas duas regiões e hoje está fechada com valas de 2,5 metros de comprimento para barrar brasileiros em território paraguaio.

Na semana passada, o prefeito de Ponta Porã Hélio Peluffo e vereadores do município solicitaram reunião com representantes de Pedro Juan Caballero (PY), no caso representado pelo empresário Victor Hugo Barreto para um plano de circulação entre a linha de fronteira que posteriormente foi encaminhado ao presidente paraguaio Mario Abdo Benítez. “Pensamos na união entre os poderes municipais e estaduais das cidades irmãs para que se apresentem ao presidente do Paraguai medidas de controle sanitário. Entendemos a preocupação dos Paraguai com relação a COVID-19 mas precisamos levar em conta a realidade fronteiriça: somos duas cidades, mas somos um povo só”, disse o prefeito Hélio. 

 
 

O prefeito disponibilizou a logística da Vigilância Sanitária do município, e que já manteve contato com o governador Reinaldo Azambuja, que já deu aval em disponibilizar efetivos do 4º Grupamento de Bombeiros Militares para atuarem no controle de entrada e saída de pessoas na fronteira entre os dois países, com os fiscais da Vigilância Sanitárias, que irão identificar pessoas, com possíveis sintomas, casos suspeitos e encaminhar pessoas para exames médicos que possam confirmar possíveis casos de pessoas contaminadas  com a Covid-19, com equipamentos como o termômetro digital à laser, testes rápidos, dentre outras tecnologias e logísticas disponíveis em Ponta Porã.

FLEXIBILIZAÇÃO

Segundo portal Porã News, o plano terá quatro fases de acordo com a redução dos casos e cada fase terá um período de duração de três semanas.  A primeira fase está incluída a abertura das indústrias e fábricas em geral, serviços de delivery e de cobrança. Também serão retomados os serviços prestados em residências, como salão de beleza e outros, sempre tomando os cuidados para não haver aglomeração de pessoas. A prática de esporte individual será permitida.

Além disso, também se mantém as medidas para manter os serviços essenciais no setor público e a mobilização do setor de provisão de alimentos e insumos médicos. No setor de construção, nesta primeira fase serão incluídos, tanto o setor público e privado. No entanto, somente em obras que ocorrem ao ar livre.

Esta fase seguirá até o dia 21 de maio. Em seguida, será decidido se avançará para a próxima fase. Nesta segunda fase, estão incluídas as lojas comerciais de até 800m², escritórios corporativos, além da permissão para eventos esportivos e culturais sem público.

O Ministro ressaltou que durante todo o processo, avaliações serão feitas para determinar se avança a fase seguinte ou retorna a quarentena total. Os setores econômicos que não cumprirem com as obrigações poderão ser fechados.

 

Felpuda


Pré-candidatos que em outras eras cumpriram mandato e hoje sonham em voltar a ter uma cadeira para chamar de sua estão se esmerando em apresentar suas folhas de trabalho. O esforço é grande para mostrar os serviços prestados, mas estão se esquecendo que a cidade cresceu, os problemas aumentaram e aquilo que já foi tido como grande benefício hoje não passa da mais simples obrigação diante do progresso e das novas exigências legais. Assim sendo...