Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

PATOS SEM ÁGUA

Patos têm que se adaptar a novo normal com obras no Parque das Nações Indígenas

Falta de água devido a obras tirou animais da zona de conforto e agora eles são avistados na rua
09/09/2020 19:45 - Rodrigo Almeida


Com as obras de revitalização no Parque das Nações Indígenas (PNI), o lago secou e algumas espécies animais tiveram que encontrar outros locais para se refrescar. É o caso de um casal de patos.

A reportagem foi até a região e notou que os animais estão confusos com a intervenção no local. Sem água próxima, os animais tentam encontrar fontes novas para se alimentarem. E o meio aquático é essencial para essa espécie.

É nele que o animal encontra alimentos, em uma dieta composta por moluscos, pequenos invertebrados e plantas aquáticas. De acordo com a definição, estes animais são os únicos que conseguem nadar, voar e andar com competência.

O portão da rua Ivan Fernandes Pereira, em que eles são comumente avistados, é o mais distante da fonte de água mais próxima, que pode ser encontrada na outra ponta do parque, próximo ao Parque Estadual do Prosa.

Perguntado sobre a situação dos patos, o Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) se limitou a responder que “acompanha as espécies de fauna nativa que circulam no PNI e habitam no Parque Estadual do Prosa”.

Com o fechamento do parque, o fluxo de pessoas minguou. Antes muitos visitantes alimentavam o casal que agora parece estar em situação difícil. 

Durante o tempo que a equipe do Correio do Estado esteve nos arredores do parque, os animais não saiam de perto, e inclusive seguiram os profissionais quando estes saíram.

Assim como a cidade está cheia de animais abandonados, cachorros e gatos precisando de um lar, fica a dica agora para quem quiser adotar um casal de patos. Talvez eles precisem de uma casa no campo.

 
 

Felpuda


Esforços vêm sendo feitos por certos candidatos derrotados na tentativa de conseguir emplacar em cargos públicos comissionados alguns ex-integrantes das equipes de trabalho da campanha eleitoral.

A preocupação não seria, na realidade, com situação de dificuldades que essas pessoas enfrentariam a partir de agora, mas, sim, para livrarem-se de pagar pendências trabalhistas referentes ao período da disputa. Tem cada uma!