Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

"CENA DE GUERRA"

Perícia começou nesta terça-feira investigações sobre a origem do incêndio no Atacadão

Cerca de 40 militares do Corpo de Bombeiros já usaram mais de 650 mil litros de água para conter o fogo
15/09/2020 11:59 - Gabrielle Tavares


O trabalho de combate ao maior incêndio já registrado na Capital, no Atacadão da avenida Duque de Caxias, já passa de 40 horas de duração. Na manhã desta terça-feira (15), a perícia iniciou o trabalho de investigação no local para saber a origem do incêndio.

Agora o trabalho equipe será em conjunto com os bombeiros. Ainda não há indícios da causa do incêndio, esse será o principal objetivo das investigações. Além de confirmar a suspeita acerca da origem do primeiro foco de incêndio, no estoque de álcool em gel.

O delegado responsável, Bruno Urban da 7º DP, disse que a empresa está colaborando com as investigações e disponibilizou todos os equipamentos das filmagens, lacrados, para a análise.

Esses aparelhos já chegaram em Campo Grande e começarão a ser examinados.

“Vamos avaliar a conduta das pessoas dentro do mercado, tanto clientes quanto funcionários, para ver se houve alguma atitude suspeita dentro do mercado. Mas nenhuma hipótese será descartada, inclusive a de acidente”, apontou.

 
 

Nesta manhã, a perícia começou o trabalho na parte exterior do prédio, na areá dos fundos do terreno e no setor administrativo, já que no interior, a temperatura ainda está muito alta e há riscos de desabamento da estrutura.  

O trabalho vai avançar na medida em que os militares do Corpo de Bombeiros liberarem.  

De acordo com o tenente-coronel Fernando Carminati, a estrutura do teto está comprometida. Por essa razão, “o trabalho tem sido de paciência”.

“Ainda há muitos focos de incêndio e de explosões, principalmente na área dos enlatados, o que gera riscos para a polícia e para a perícia, que não possuem equipamentos contra esse tipo de ambiente”, explicou o delegado Urban.

O boletim de ocorrência foi registrado na segunda-feira (14), por funcionários do Atacadão e o inquérito policial será instaurado na data de hoje.

CENÁRIO DE GUERRA

A equipe dos Bombeiros, formada por 40 militares, já utilizou 650 mil litros de água.

A maioria dos focos de incêndio foram controladas. A principal preocupação no momento é uma área que possuía produtos de combustão, possível setor de perfumes, que ainda precisa ser resfriada, com risco de voltar a queimar.

O tenente-coronel afirmou que não foi medida a temperatura do local no momento do incêndio, mas a estimativa é de que tenha alcançado a marca de 700ºC.

“A água entra em combustão em 100ºC, agora imagina jogar água diretamente em uma temperatura nesse grau”, ressaltou Carminati.

O ambiente em volta do que restou do mercado lembra cenas de um filme apocalíptico. Restos dos produtos que compunham as prateleiras do estabelecimento foram empilhados no terreno a frente da fachada. 

 
 

“É uma cena lamentável, de guerra. Cerca de 90% da estrutura foi queimada”, avaliou o delegado responsável.

Fumaça cinza e de pouca intensidade ainda sai do local, tornando o clima seco e quente, ainda mais cruel para os trabalhadores que permanecem dentro do ambiente em suas roupas de proteção.

A maioria deles combate o incêndio desde seu início, no domingo (13), com poucas horas de descanso, somente parte da equipe foi substituída.

O serviço de pós incêndio está sendo feito com muita cautela, com avaliações prévias, para a vida dos militares não serem postas em risco.

 

Felpuda


A lista do Tribunal de Contas de MS, com nomes de gestores que tiveram reprovados os balanços financeiros de quando exerceram cargos públicos, está deixando muitos candidatos de cabeça quente.  Conforme previsto pelo Diálogo, adversários estão se utilizando de tais dados para cobrar, principalmente nas redes sociais, deixando alguns gestores na maior saia justa e tendo que se explicar. O eleitor, por enquanto, só observa. E dê-lhe!