Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAMPO GRANDE

Pesquisa ouvirá 680 pessoas sobre qualidade do transporte coletivo

Investigação foi contratada pela prefeitura para medir a percepção dos usuários do sistema
14/01/2020 09:12 - RICARDO CAMPOS JR.


 

A Prefeitura de Campo Grande vai ouvir a opinião de pelo menos 680 pessoas sobre a qualidade do serviço prestado pelo Consórcio Guaicurus. Os questionários serão aplicados nos coletivos e terminais de transbordo pela Macmann & Tate Pesquisa e Eventos. O contrato entre o município e a empresa foi publicado na edição desta terça-feira (14) do Diário Oficial.

O valor dos trabalhos será de R$ 173,6 mil. Vinícius Leite Campos, titular da Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos (Agereg), disse ao Correio do Estado que houve um estudo semelhante em 2017. O objetivo do órgão é atualizar as informações disponíveis sobre a percepção de quem anda todos os dias de ônibus.

“Vamos avaliar tudo, saber quais os piores problemas, as maiores reclamações, o que pode ser melhorado. Ver a avaliação da população de modo geral e quais são os problemas que eles mais apontam no transporte público”, explica.

A Macmann & Tate terá prazo de três meses para concluir a pesquisa. Segundo a Agereg, serão aplicados 600 questionários quantitativos.

Em um segundo momento, estudantes, deficientes, idosos, mulheres, usuários dos ônibus executivos, motoristas e pessoas que passam pelos terminais com maior movimento serão convidadas a responder perguntas qualitativas. Elas serão divididas em oito grupos com até dez integrantes cada para essa avaliação.

A Agereg garante que as informações serão usadas para melhorar a qualidade do serviço público, mas não detalhou quais foram as mudanças implementadas a partir do estudo passado, de 2017.

Felpuda


Alguns pré-candidatos que estão de olho em uma cadeira de vereador vêm apostando apenas nas redes sociais, esperançosos na conquistados votos suficientes para se elegerem. A maioria pede apoio financeiro para continuar mantendo suas respectivas páginas, frisando que não aceita dinheiro público ou de político, fazendo com que alguns se lembrem daquela famosa marchinha de carnaval: “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí...”. Como diria vovó: “Essa gente perdeu o rumo e o prumo”.