Clique aqui e veja as últimas notícias!

LAVA JATO

PF e MPF fazem buscas na casa, escritório e gabinete de Delcídio

Advogados de Delcídio estão nos locais para acompanhar aas buscas
25/11/2015 07:54 - ALINY MARY DIAS


 

Depois da prisão do senador Delcídio do Amaral (PT), no início da manhã desta quarta-feira (25), em Brasília, equipes da Polícia Federal fazem buscas na casa do senador e no escritório dele, em Campo Grande.

Pelo menos uma viatura está em frente da casa de Delcídio, em um condomínio fechado, na Avenida Rodolfo José Pinho. O advogado do senador, Valeriano Fontoura, chegou há pouco no local e falou para a imprensa que ainda não sabia do que estava acontecendo e que tinha ido lá para acompanhar as buscas feitas pela PF.

Em outro ponto da cidade, na Rua Antônio Maria Coelho, as buscas são feitas no escritório de Delcídio. Uma viatura da PF e outra do Ministério Público Federal estão no local.

Outro advogado do petista, Jail Azambuja, chegou há pouco no escritório e também disse para a imprensa que nada sabia e revelou ter sido “pego de surpresa” quando questionado sobre a prisão de Delcídio. Depois de alguns minutos, Azambuja afirmou que não foi autorizado pelos policiais a acompanhar as buscas, segundo ele, a situação é inédita.

"É um ato arbitrário e de força realizado pela PF porque não permitiu que o defensor constituído acompanhasse a diligência. Vamos peticionar ao STF e questionar qualquer apreensão feita", disse Jail.

Na sede da Polícia Federal, na Vila Sobrinho, por enquanto não há movimentação de policiais. Em Brasília, equipes da PF também fazem buscas no gabinete de Delcídio, no Senado.

PRISÃO

A prisão ocorreu na casa do parlamentar, em Brasília (DF), nesta manhã porque o líder do governo estaria ''atrapalhando as investigações da Lava Jato”. Além de Delcídio, também foram presos o chefe de gabinete de Delcídio, Diogo Rodrigues, um advogado que não teve o nome divulgado, e o dono do banco BTG Pactual, André Esteves. 

As prisões foram um pedido da Procuradoria-Geral da República e autorizadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). As prisões de Delcídio e de Ribeiro são preventivas, que é quando não há data determinada para terminar. As demais são temporárias.

*Colaboraram Valdenir Rezende e Bruno Henrique.

Em condomínio fechado, viatura da PF faz buscas (Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado)