Clique aqui e veja as últimas notícias!

DECRETO

Policial militar que teve filho executado por milícia perde posto e patente

Paulo Xavier foi considerado "indigno para o oficialato", mas continuará recebendo salário da reforma
17/11/2020 16:29 - Glaucea Vaccari


Paulo Roberto Teixeira Xavier perdeu o posto e patente de capitão da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul em atendimento a decisão judicial.

Xavier é pai do estudante Matheus Xavier, 20 anos, que foi executado por engano no lugar do pai por grupo de extermínio chefiado por Jamil Name.

No entanto, a representação para a perda da patente militar decorre de prisão de Xavier em 2017, no Maranhão, por porte ilegal de arma de foto e adulteração de identificação veicular, que foi também o que levou a corporação a movê-lo para a reserva, na época.  

Representação para que ele perdesse a patente foi feita pelo governador Reinaldo Azambuja, em razão do processo administrativo denominado Conselho de Justificação, que julgou, por unanimidade, o policial indigno para o oficialato.

Decreto que determina, sob júdice, a perda do posto e da patente de capitão foi assinado pelo governador e publicado na edição de hoje do Diário Oficial do Estado.

Conforme a publicação, por conseguinte, também é declarada a exclusão do agora ex-capitão das fileiras da corporação da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul.

No entanto, ele continuará recebendo os proventos decorrentes de sua passagem para a reforma, também por determinação do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

Acompanhe as últimas notícias do Correio do Estado