Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DECRETO MUNICIPAL

População adere às máscaras no primeiro dia de uso obrigatório

Fiscalização vai começar em 1º de julho e pode gerar multa
19/06/2020 12:30 - Gabrielle Tavares


Nesta sexta-feira (19) entrou em vigor o decreto municipal que obriga o uso de máscaras em locais públicos e privados em Campo Grande. A prefeitura deu um período de 12 dias de adequação para a população, com a fiscalização começando a partir de 1º de julho gerando multas. No Centro da cidade, a norma já fez diferença e a maioria de quem circulava pelo local nesta manhã utilizava o equipamento.

A gerente de uma loja de utilidades, Glaucia da Silva Alves, disse que já haviam tentado proibir a entrada de pessoas sem máscaras antes do decreto, mas uma cliente que foi impedida de entrar fez uma reclamação no Procon-MS e o local foi obrigado a permitir a entrada.  

“Achei muito bom, porque agora temos mais segurança para trabalhar. Hoje não tentou entrar ninguém aqui sem máscara, por incrível que pareça. Está todo mundo obedecendo”, declarou a gerente.

 
 

Um vendedor ambulante que fica na calçada da Rua 14 de Julho, Cícero da Silva, observou que poucas pessoas estavam sem o equipamento nesta manhã, cenário diferente do que era no início da semana. “Não precisou muita coisa não, só falar que saiu o decreto, que todo mundo começou a usar. O povo só usa se tiver alguma força maior que obriga. Se não, não usam”, disse.

Cícero vende máscaras, mas falou que as vendas não aumentaram nesta manhã. “Acho que o povo já tinha, só não usavam”, relatou.

 
 

Segundo o titular da Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana), Luís Eduardo Costa, a prefeitura usará até 1º de julho para fazer adequações sobre como será realizada a fiscalização. “Este primeiro momento vai ser um período de conscientização. Que um seja fiscal do outro, é uma conduta pessoal. Mas depois desse prazo a multa pode acontecer”, relatou.

Mas Luís Eduardo ressalta que multar é o último recurso e que a conscientização será o principal caminho. “É igual mexer no celular dirigindo, a fiscalização não e onipresente, mas dá a possibilidade de ser multado. Nós estamos em um período com mais risco, já conseguimos combater o vírus por mais de 100 dias e agora está crescendo o número de casos”, concluiu.

 
 

A infectologista da Unimed Campo Grande, Carolina Martins Neder, explica que “se a pessoa que tem o vírus, sabendo ou não dele, está de máscara, ela evita a propagação desse vírus. Já a pessoa que está com a máscara, e não tem o vírus, também se protege ao ter contato com alguém que tem a doença, porque se ela tentar colocar a mão na boca, ou alguém espirrar por perto, estará protegido com a máscara”.

O mototaxista Jonas Dutra, de 55 anos, estava sem máscara na calçada nesta manhã. Quando abordado pela reportagem do Correio do Estado, explicou que tinha tirado para tomar café. “Já aproveitei para dar uma respirada. Tenho três máscaras aqui comigo, se eu for entrar em um local fechado lógico que eu vou usar”, explicou.  

Segundo Jonas, a fiscalização do uso da máscara deverá ser feito principalmente nos bairros afastados do Centro. “A gente pensa que aqui está movimentado, mas nos bairros está bem mais. Lá no bairro São Conrado, no domingo, parece uma feira. Parece festa no final de semana”, afirmou.

DECRETO ESTADUAL

O governo de Mato Grosso do Sul também tornou obrigatório o uso de máscara em todo o Estado a partir da próxima segunda-feira (22).  

A empresa que descumprir o decreto pode ser punida com advertência, suspensão de venda ou fabricação, cancelamento de registro, interdição parcial ou total, cancelamento de alvará ou licença, proibição de propaganda, multa e até intervenção, no caso de estabelecimento de prestação de serviços de interesse para a saúde.  

“Vamos regulamentar esse decreto para verificarmos como proceder na fiscalização. Não queremos fazer como outros estados ter que aplicar multas, fazer uma caça às bruxas. Por isso, precisamos que a população compreenda a importância do uso de máscaras e a questão do isolamento social. Isso é para evitar uma catástrofe na sua família, a perda de um parente”, declarou o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, em transmissão ao vivo desta sexta-feira.

 
 

CUIDADOS

Os cuidados se estendem não somente ao uso do item, mas também na higienização e no descarte do mesmo. Nariz e queixo não devem ficar descobertos, e máscaras largas não devem ser utilizadas. O acessório deve ser tirado, sempre, de trás para frente, segurando pelos elásticos ou tiras. O descarte da máscara descartável deve ser feito primeiro em um saco, antes mesmo de jogado na lixeira.

Já o acessório de tecido, que pode ser reutilizado, deve ser colocado em uma sacola antes da lavagem, que, segundo a cirurgiã vascular da Unimed, Marília Lomonaco Galhardo, deve ser realizada com água e sabão e depois deixada de molho por pelo menos 10 minutos em solução com 10 ml de água sanitária para 500 ml de água. A higienização das mãos deve ser feita com água e sabão ou com álcool em gel 70% antes e depois do uso de máscaras.

Além disso, evitar deixar o item de segurança em outros lugares, como mesas, cadeiras, cômodas, entre outros. 

Felpuda


Falatório e atitude de membro da família acenderam a luz vermelha no “QG” de candidato, pois poderão causar muitos estragos. 

A tropa de choque de defensores do candidato a prefeito já foi colocada em campo e só falta falar que os genes de ambos são diferentes. 

E com relação ao dito-cujo, sabe-se que deverá ser orientado a “baixar a bola” nos próximos dias, mais precisamente até o término da campanha eleitoral.

Afinal...