Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TRANSPORTE PÚBLICO

Por atrasos e falta de informação de horário dos coletivos, Procon notifica Consórcio Guaicurus

Empresa tem 10 dias para responder questionamentos e pode ser multada
26/05/2020 14:31 - Adriel Mattos, Fábio Oruê


Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon/MS) notificou o Consórcio Guaicurus, empresa que administra o sistema de transporte coletivo em Campo Grande, por conta de denúncias e reclamações do campo-grandense. “Informações sobre as linhas são precárias”, disse o superintendente Marcelo Salomão, ao Correio do Estado

Conforme divulgado, as reclamações mais recorrentes se dão em relação às linhas 085 e 116 que fazem a ligação Terminal Júlio de Castilho/Morenão e  Los Angeles/centro via terminal, respectivamente, o que motivou  providências o Procon exigir informações da concessionária a respeito dos atrasos e a falta de informações referentes ao horário dos coletivos. 

“O passageiro não pode ficar no ponto nessa pandemia esperando o ônibus”, disse Salomão, se referindo à pandemia do coronavírus. Segundo ele, neste mês o Procon já recebeu 12 denúncias e 20 reclamações à respeito do consórcio. 

Notificado sobre as reclamações, a empresa terá dez dias para protocolar as respostas na sede do órgão de defesa. O consórcio deve esclarecer, por exemplo, os horários em que são realizadas as ligações nos itinerários citados, se houve ou não redução na quantidade de veículos para o atendimento, a capacidade permitida e modo de operacionalização e, também, se as informações aos consumidores em relação a horários e redução da frota estão claros e adequados nos terminais e nos veículos.

O não atendimento às solicitações no prazo concedido ou a prestação de informações incompletas ou inadequadas poderá levar a medidas de âmbito administrativo como é o caso de multas, que podem chegar a R$ 50 mil.

 
 

Felpuda


Dia desses, há quem tenha se lembrado de opositor ferrenho – em público –, contra governante da época, mas que não deixava de frequentar a fazenda de “sua vítima” sempre que possível e longe dos olhos populares. Por lá, dizem, riam que só do fictício enfrentamento de ambos, que atraía atenção e votos. E quem se lembrou da antiga história garantiu que hoje ela vem se repetindo, tendo duas figurinhas carimbadas nos papéis principais. Ô louco!