Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

INTERIOR

Por R$ 1,6 milhão, governo contrata empresa para reforçar dique em Porto Murtinho

Estrutura cedeu em outubro do ano passado
06/05/2020 09:44 - Adriel Mattos


 

A Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos de Mato Grosso do Sul (Agesul) contratou a empresa Engenharia e Comércio Bandeirantes por R$ 1,6 milhão para executar obras de reforço em um dique de Porto Murtinho, cidade no sudoeste do Estado. O aviso foi publicado na edição desta quarta-feira (6) do Diário Oficial Eletrônico (DOE).

Assinado em caráter emergencial, o contrato foi formalizado por meio de dispensa de licitação. Esse procedimento está amparado na Lei de Licitações e Contratos. A empresa tem 180 dias consecutivos, contados a partir de ordem de serviço a ser emitida pela Agesul.

HISTÓRICO

Em outubro de 2019, parte da parede na parte contínua à estrutura do dique de proteção contra cheias do rio cedeu por conta da força da água e, desde então, rachaduras apareceram na estrutura. O trecho onde houve o desabamento é considerado crítico por conta da grande quantidade de embarcações.

O rompimento dos pilares aconteceu em uma curva, perto da área de captação da Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul), entre os locais onde serão construídos os novos portos, na área urbana de Porto Murtinho. A estação flutuante de captação de águas terá que ser remanejada para outro local do rio.

A estrutura foi construída para a contenção da água e era usada pela população como espaço de lazer, especialmente para a prática de caminhada e pesca. A suspeita da prefeitura de Porto Murtinho é que o muro tenha sofrido infiltração na base, já que a altura da água estava baixa, com 2,7 metros.

A empresa Schettini Engenharia foi contratada por R$ 427 mil para realizar estudo de recuperação da estrutura, em dezembro de 2019.

 

Felpuda


Candidato a prefeito em cidade do interior tremeu que só nas bases diante da decisão que tirou a corda do pescoço de adversário, liberando o dito-cujo para disputar a eleição.

Como acreditava que o pleito seria “um passeio”, estava até pensando no modelito que usaria no dia da posse.

Agora, teme nadar, nadar e morrer na beira da praia, deixando o terno pendurado no cabide.