Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

LOGÍSTICA

Porto seco de Campo Grande deve ficar pronto em 30 dias, diz secretário

Terminal Intermodal de Cargas, em obras há mais de uma década, entrou na fase final
05/10/2020 09:30 - Daiany Albuquerque, Eduardo Miranda


O Terminal Intermodal de Cargas de Campo Grande, também conhecido como porto seco, deve ser entregue em até 30 dias. A informação é do secretário municipal de Infraestrutura, Rudi Fioresi.  

O porto seco é a obra há mais tempo em andamento em Campo Grande. Teve início na década de 2000, quando a construção avançou, e foi praticamente esquecido durante quase toda a década passada.  

“Está dentro do cronograma”, disse Fioresi, ao comentar a publicação do pedido de duas licenças, a ambiental e a de implantação, para o Terminal Intermodal de Cargas.

“A publicação da licença era para a conclusão das obras, porque a licença que está em vigor está vencendo”, complementou o secretário.  

No ano passado, era esperado que o Porto Seco fosse entregue até dezembro, mas a conclusão acabou adiada em quase 12 meses. 

O terminal, que já recebeu mais de R$ 20 milhões para sua implantação desde o início da década de 2000, está sendo concluído a um custo de R$ 3,3 milhões.  

Os trabalhos que estão sendo feitos nesta última etapa são: implantação de 2,5 quilômetros de rede água e 5,2 quilômetros de rede de esgoto; estação elevatória de esgoto; ativação de um poço; iluminação pública interna; conclusão de trechos de meio-fio; sinalização; recuperação do pavimento; e drenagem. 

A estrutura de logística foi planejada para ocupar área de 65 hectares. 

 
 

CORREDOR BIOCEÂNICO

O Terminal Intermodal de Campo Grande integra o projeto do Corredor Bioceânico, que ligará Mato Grosso do Sul aos portos chilenos de Antofagasta e Iquique.  

A expectativa das autoridades é a de que, assim que a movimentação de cargas pela ponte sobre o Rio Paraguai, entre Murtinho e Carmelo Peralta, começar, o terminal intermodal de cargas da Capital, localizado no Anel Viário, entre as rodovias BR-060 e BR-163, ganhará ainda mais importância.  

Quando a obra foi retomada, o Correio do Estado entrevistou o ex-ministro e diplomata José Carlos Parkinson, diretamente ligado ao projeto, por integrar o grupo de trabalho. 

“Hoje a ideia é trazer o produto pelo corredor. Isso já significa, obviamente, redução de custos logísticos”, explicou Parkinson.  

“Em segundo lugar, se você trouxer esse produto para Campo Grande e usar o terminal multimodal que está sendo implantado para levar essa carga para outros destinos – para Sorriso [MT], para Palmas [TO], Itaqui [MA], para outros destinos do território brasileiro –, poderão ser usadas as vantagens que Campo Grande passará a oferecer”, complementou o ex-ministro.

CONCESSÃO

Depois de concluído, o Terminal Intermodal de Cargas de Campo Grande será administrado pelo Consórcio Empresarial ParkX, que venceu processo licitatório, concluído em 2012, para administrar a estrutura por 30 anos. Como a obra não foi concluída, o período de concessão ainda não teve início.  

A expectativa do concessionário é a de que a reativação da linha férrea (Malha Oeste da concessionária Rumo) traga ainda mais atratividade para o terminal intermodal.  

Enquanto o porto seco não fica pronto, a ParkX já aplicou pelo menos R$ 2 milhões em segurança, manutenção da estrutura, guaritas e outros itens.

 

Felpuda


Ex-cabecinha coroada anda dizendo por aí ser o responsável por vários projetos para Campo Grande, executados posteriormente por sucessor. 

Ao fim de seus comentários, faz alerta para que o eleitor analise atentamente de como surgiram tais obras e arremata afirmando que não foi “como pó mágico de alguma boa fada madrinha. 

Houve muito suor nos corredores de Brasília”. Então, tá!...