Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FLEXIBILIZAÇÃO

Prefeito libera apresentação de bandas com até quatro artistas em bares e restaurantes

Até então, permissão era para músico voz e violão ou duplas em Campo Grande
01/09/2020 15:49 - Glaucea Vaccari


Prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD) , autorizou a apresentação de grupos e bandas de até quatro artistas em bares e restaurantes.  

Decreto foi publicado na edição de hoje (1º) do Diário Oficial do Município.

Até então, estava liberada apenas a apresentação de artistas no estilo voz e violão ou duplas com mais um músico de apoio.

Novo decreto autorização permite música ao vivo em bares e restaurantes com até quatro artistas simultaneamente e respeitando o toque de recolher, às 23h.

Apresentações continuam proibidas em tabacarias, lojas de conveniência, casas noturnas, boates, casas de shows e espaços de eventos.  

Também ser evitada a execução de músicas dançantes.

Profissionais do setor musical e artístico devem morar em Campo Grande, sendo vedada a contratação de profissionais residentes em outras localidades.  

Proprietários de estabelecimentos interessados em oferecer aos clientes a música ao vivo devem seguir as regras e respeitar as normas de biossegurança descritas em decreto municipal.

Entre as medidas, estão distanciamento entre mesas e atendimento com até 50% da capacidade, além do fornecimento de álcool em gel.

Estabelecimentos que descumprirem as medidas serão responsabilizados nas esferas civil, administrativa e penal, podendo responder por crimes contra a saúde pública e contra a administração pública em geral. 

 
 

Felpuda


Conversas muito, mas muito reservadas mesmo tratam de possível mudança, e não pelo desejo do “inquilino”.

Por enquanto, e em razão de ser um assunto melindroso, os colóquios estão sendo com base em metáforas.

Até quando, não se sabe, pois o que hoje é considerado tabu poderá se tornar assunto em rodinhas de conversas.

Como dizia o célebre Barão de Itararé: “Há mais coisas no ar, além dos aviões de carreira”. Só!