Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CONCORRÊNCIA COM UBER

Prefeito libera motos mais antigas no serviço de mototáxi

Marcos Trad atendeu pedido da categoria, e motos poderão ter até oito anos de uso
06/02/2020 09:15 - EDUARDO MIRANDA


 

A partir desta quinta-feira (6) as motocicletas utilizadas no serviço de mototáxi em Campo Grande poderão ser mais antigas. É que o prefeito Marcos Trad alterou decreto de 2001, que regulamenta o serviço, permitindo que o tempo máximo de uso dos veículos que prestam o serviço passem de cinco para oito anos desde a data de fabricação. 

A medida atende pleito da categoria para igualar as regras permitidas aos motoristas que atendem passageiros por meio de solicitação de aplicativos de transporte, como Uber e 99. Na lei aprovada no ano passado, são permitidos automóveis com até oito anos de uso. 

No caso do mototáxi, o veículo utilizado depende de autorização provisória da Agência Municipal de Transporte e Trânsito. “O prefeito atendeu nosso pleito, depois que a demanda caiu em até 70%”, afirmou Dovair Boaventura Caburé, presidente do Sindicato dos Motoxistas de Campo Grande. “Com um movimento menor, as motos se desgastam menos”, complementou. 

Desde que os aplicativos de transporte como Uber e 99 chegaram a Campo Grande, em 2016, a demanda por mototáxi caiu drasticamente. Para efeito de comparação, o custo de uma corrida entre o centro da cidade o Parque das Nações Indígenas, na Avenida Afonso Pena, nas duas modalidades de transporte privado: aproximadamente R$ 8. 

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!