Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

QUARENTENA

Profissionais de saúde fazem apelo para população ficar em casa

O descumprimento das medidas preventivas adequadas pode prejudicar os profissionais
20/03/2020 11:30 - Camila Andrade Zanin


 

Os profissionais que atuam na área da saúde, como enfermeiros, técnicos, e médicos dos hospitais públicos e privados de Campo Grande aderiram à campanha de conscientização sobre o período de quarentena por conta do novo coronavírus. O Hospital Regional, por exemplo, publicou ontem (19), em sua página do facebook com os funcionários enfileirados, prontos para o trabalho, segurando folhas de papel com pedindo: “Nós estamos aqui por você. Por favor, fique em casa por nós!”.

Outras instituições de saúde também estão indo pelo mesmo caminho, como o hospital da Unimed, que também fez  cartazes e fotos. A ação tem como objetivo tentar conscientizar as pessoas sobre a importância de cumprir a quarentena de verdade, sem ficar de passeio pela cidade, afinal, quarentena não é férias. Evitar a aglomeração nas unidades de saúde é essencial, porque isso também impacta diretamente na vida dos profissionais.

A inspiração veio de uma imagem que viralizou na internet com a frase em inglês. O Brasil aproveitou a onda, e os profissionais rapidamente traduziram a campanha. Diversos profissionais da saúde relatam preocupação com a quantidade de pessoas que estão circulando nas ruas, no transporte coletivo e estabelecimentos comerciais. Os profissionais não reclamam de trabalhar, mas temem as consequências da imprudência das pessoas que não seguem as recomendações.

Uma funcionária de uma instituição particular de saúde, que não quis revelar sua identidade, contou a reportagem do Correio do Estado que os atendimentos domiciliares serão evitados ao máximo mesmo todos os equipamentos esterilizados. “Nós estamos evitando, hoje, por exemplo, estamos atendendo uma paciente nova para tentar tranquilizar a família. Mas é preocupante, porque é uma forma de levar o vírus de casa em casa”, disse. 

Contudo, a funcionária afirma que a situação é muito preocupante. “Eu sinto que as pessoas estão levando muito na brincadeira e isso é muito desrespeito, principalmente com os profissionais que estão enfrentando isso, estamos vendo aglomerações em mercados, é totalmente desnecessário”. Ela conta que, decidiu ir ao mercado nesta madrugada, sozinha, pois foi o único horário que encontrou para evitar multidões de consumidores.

Ela complementa que é necessário um planejamento, uma estratégia, tanto plural quanto individual, que pense no bem coletivo. “Esta situação não é uma corrida de 100 metros, entende? Não vai acabar logo. É uma maratona de muitos quilômetros, será um longo percurso para todos nós”, pontuou. 

Profissionais do Hospital da Caixa de Assistência dos Servidores do Mato Grosso do Sul (Cassems) também aderiram à campanha. A unidade conta com 1665 colaboradores em todo o estado, destes 70% são da área da saúde. Com 7 casos confirmados no Estado, os, enfermeiros, técnicos, administrativos e médicos, arriscam suas vidas diariamente, com a possibilidade de entrar em contato com alguém que já esteja contágiado e contrair o Covid-19.

 

 

 

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.