Cidades

combate à miséria

Programa quer retirar 16 milhões da extrema pobreza

Programa quer retirar 16 milhões da extrema pobreza

AGÊNCIA BRASIL

02/06/2011 - 08h42
Continue lendo...

O Plano Brasil sem Miséria, que a presidenta Dilma Rousseff lança hoje (2), após seis meses no cargo, tem como uma das principais metas retirar 16 milhões de pessoas da extrema pobreza até 2014. A elevação da renda familiar per capita das famílias que vivem com até R$ 70 por mês, a ampliação do acesso aos serviços públicos, às ações de cidadania e às oportunidades geradas por políticas e projetos públicos são outros objetivos.

O programa será apresentado pela ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, e pela secretária extraordinária de Erradicação da Pobreza, Ana Fonseca. O evento contará com a presença de ministros, secretários, parlamentares, governadores, representantes da sociedade civil e de diversas entidades.

Nas últimas semanas, Tereza Campello promoveu encontros com governadores de diversos estados e representantes de movimentos sociais para discutir as ações do plano. Na última reunião, feita ontem (1º), o programa foi apresentado aos parlamentares da base aliada.

O Plano Brasil sem Miséria terá como foco capacitar as pessoas para que possam ter seu próprio sustento. O governo nega que o programa tenha a finalidade de corrigir falhas no Bolsa Família, maior programa de transferência de renda governamental, iniciado na gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O Cadastro Único, que contém as informações sobre 20 milhões de famílias brasileiras beneficiadas por programas sociais, será a principal ferramenta do plano. De acordo com a ministra, o cadastro único não é apenas do Programa Bolsa Família: com o aprimoramento do sistema, ele tornou-se uma ferramenta de planejamento do governo federal para um conjunto de ações.

Em todo o Brasil, 16,2 milhões de pessoas vivem na miséria, o equivalente a 8,5 % da população. A maioria dos brasileiros em situação de extrema pobreza é negra ou parda. Além disso, o Maranhão, o Piauí e Alagoas são os estados com os maiores percentuais de pessoas em situação de extrema pobreza.

Na Região Nordeste estão quase 60% dos extremamente pobres (9,61 milhões de pessoas). Em seguida, vem o Sudeste, com 2,7 milhões. O Norte tem 2,65 milhões de miseráveis, enquanto o Sul registra 715 mil. O Centro-Oeste contabiliza 557 mil pessoas em situação de extrema pobreza.

Entre os extremamente pobres, 46,7% vivem no campo, que responde por apenas 15,6% da população brasileira. De cada quatro moradores da zona rural, um encontra-se na miséria. As cidades, onde moram 84,4% da população total, concentram 53,3% dos miseráveis.

A miséria atinge mulheres e homens da mesma forma: 50,5% contra 49,5% respectivamente. No entanto, na área urbana, a presença de mulheres que vivem em condições extremas de pobreza é maior, enquanto os homens são maioria no campo.

Além da renda baixa, a parcela da população em extrema pobreza não tem acesso a serviços públicos, como água encanada, coleta de esgoto e energia elétrica. Estima-se, por exemplo, que mais de 300 mil casas não estão ligadas à rede de energia elétrica.

Epidêmia

Brasil registra quase 3 mil mortes por dengue e quase 5 mil de casos prováveis da doença

Sul e Sudeste concentram mais de 70% dos casos graves e mortes por dengue no país

17/05/2024 19h00

Casos de dengue aumentaram em todo o continente

Casos de dengue aumentaram em todo o continente Arquivo

Continue Lendo...

O Brasil atingiu 2.715 mortes confirmadas por dengue em 2024 e um total de 4.890.542 casos prováveis da doença. Os dados são do Painel de Monitoramento de Arboviroses do Ministério da Saúde desta sexta-feira (17).

Em relação aos casos confirmados, já são 3.079.043. As regiões Sul e Sudeste totalizam 72% de casos graves e 74,6% de mortes por dengue, em 2024.

Nos estados do Sudeste, foram registrados 26.086 casos graves e 1.360 mortes. No Sul, de 13.909 e 666, respectivamente.

Proporcionalmente à população, o Distrito Federal, Minas Gerais e Paraná apresentam as maiores taxas, sendo 8.915, 6.803 e 4.445 por 100 mil habitantes. No estado de São Paulo, de 2.933.

Em números absolutos, São Paulo (12.050), Minas Gerais (8.754) e Paraná (7.486) lideram a quantidade de casos graves.

Em número de óbitos, São Paulo (717) e Minas Gerais (464) também aparecem com o maior quantitativo. Em seguida, vem o Distrito Federal, que registrou 342 mortes, e o Paraná, com 335.

Nos últimos 24 anos, esses números representam os mais elevados já registrados pelo Ministério da Saúde.

De acordo com especialistas ouvidos pela reportagem, os números de dengue podem aumentar nas próximas semanas no Rio Grande do Sul devido às enchentes que atingem o estado há duas semanas. A situação já contabiliza 154.736 casos prováveis e 143 mortes na região.

O quadro de dengue pode se intensificar após a água acumulada nas ruas das cidades baixar e se concentrar em determinadas áreas. O mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus, deposita seus ovos em água parada, que eclodem em condições de alta temperatura.

Entre os sintomas que devem devem acender um alerta estão febre, dor de cabeça e dor muscular, além de dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes, sangramento de mucosas, queda de pressão arterial, aumento do tamanho do fígado, letargia ou irritabilidade, acúmulo de líquidos em cavidades corporais (ascite, derrame pleural, derrame pericárdico), aumento progressivo do hematócrito e hipotensão postural (tontura ao levantar).

Especialistas reforçam medidas simples para evitar a contaminação, como cobrir caixas d'água, limpar recipientes de água de animais de estimação e vedar ralos e pias.

 

*Informações da Agência Brasil 

ALFABETIZAÇÃO

Campo Grande lidera menor taxa de analfabetismo no Mato Grosso do Sul

O maior índice registrado foi no município de Tacuru com 84%

17/05/2024 18h50

Campo Grande tem quase 100% da população alfabetizada

Campo Grande tem quase 100% da população alfabetizada Divulgação

Continue Lendo...

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta sexta-feira (17), um panorama com base no Censo Demográfico de 2022 batizado de "Alfabetização: Resultados do universo", indicando que 97,1% da população de Campo Grande é alfabetizada, essa porcentagem coloca a cidade em 1° lugar no ranking dos municípios de Mato Grosso do Sul.

Com base nos panoramas divulgados pelo GOV.BR, a Capital fechou o Censo 2022, com 692.545 pessoas acima de 15 anos alfabetizadas. Já o menor índice registrado foi no município de Tacuru com 6511 (84%).

Confira a lista completa da taxa de alfabetização nos municípios de MS:

Outros recortes

Em análise na situação por gênero, o grupo feminino aparece em primeiro lugar com 365 mil alfabetizadas, enquanto os homens possuem o índice de 327.540.

Entre a população indígena, a alfabetização alcança 3261 dos homens e 3636 das mulheres. Confira abaixo:

Além disso, com taxa de alfabetização entre indígenas registrada em 87,6% para o Censo 2022, nesse indicador específico sobre povos originários Mato Grosso do Sul ficou abaixo da taxa nacional, de 93,0%, na faixa etária de 15 anos ou mais. 

Ainda assim, os números locais mostram melhora, com queda de 8% no indicador de analfabetismo indígena entre 2010 e 2022. 

Importante apontar que sete municípios sul-mato-grossenses alcançaram 100% da taxa de alfabetização de pessoas indígenas, sendo: 

  • Alcinópolis,
  • Aparecida do Taboado,
  • Ladário,
  • Pedro Gomes,
  • Selvíria,
  • Sonora e
  • Taquarussu.

Mato Grosso do Sul 

Conforme o Instituto, MS aparece com 94,6% na taxa de alfabetização, ficando em 7º na posição do ranking nacional. 

Sendo que desde 1872, no primeiro recenseamento do IBGE, o tema "alfabetização" é investigado pelo Instituto, cabe apontar o salto de 83,2% registrado por Mato Grosso do Sul em 1991, para 94,6% no último Censo de 2022. 

Quanto ao recorte de dados estaduais por gênero, os grupos ficam quase empatados, com os índices de alfabetização entre homens marcando 94,7% e o das mulheres 94,5%. 

Em análise, o IBGE aponta uma vantagem feminina até o grupo de 45 a 54 anos, com eles assumindo a partir daí, com a diferença mais "gritante" para elas apontada para a faixa etária entre 25 a 34 anos e de 45 a 54 anos, de 0,6 ponto percentual. 

Nacionalmente, Mato Grosso do Sul ocupa a 8ª e 7ª colocação pelas taxas de alfabetização de mulheres e homens, respctivamente. 

*Colaborou Leonardo Ribeiro

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).