Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SOLIDARIEDADE

Projetos sociais na Capital são esperança em tempos difíceis de pandemia

Projetos precisam de doações para continuar 'sobrevivendo'
04/07/2020 13:00 - Bruna Aquino


 

Em tempos de pandemia provocada pelo novo coronavírus, muitas pessoas estão se reinventando em vários setores, sendo nas artes, no comércio e outros serviços que não foram considerados essenciais e estão parados.

Enquanto isso, os projetos sociais de Campo Grande lutam para não morrer. O intuito de ajudar outras pessoas que não tem sequer uma moradia, ou até mesmo oportunidade de higienização nesta pandemia, é motivo de mais força de vontade para aqueles que fazerem ainda mais a diferença.  

Em busca de ajudar o maior número de pessoas nos tempos difíceis em que vivemos, um jovem de 21 anos, está fazendo a diferença na comunidade do bairro Vila Nhanhá, região sul de Campo Grande.  

Sozinho, Chris Robert de Oliveira Peixoto, teve a ideia de montar o projeto na varanda de uma casa alugada no bairro Jardim Nhanhá, grande decisão que mudou a vida dele, nos últimos meses.  A ideia partiu da necessidade de Chris buscar fazer a diferença começando dentro da própria família.  

“Eu sempre quis ajudar as pessoas. O que me motivou começou dentro da minha própria família. Eu tenho um tio dependente químico,  e eu sei o tanto que a droga estraga a vida da pessoa e da família e eu quis criar o projeto para alcançar os jovens e evitar que eles entrem no caminho errado”, disse.  

Mesmo começando sozinho, hoje o Núcleo Comunitário Nhanhá conta com voluntários em todas as atividades, que cada vez mais está crescendo, conta Chris.  

“O projeto faz parte do meu propósito de vida, para isso que fui criado, para cuidar de pessoas, influenciar as crianças para o caminho bom, tenho plena convicção disso, eu vejo Deus através de ação, o evangelho é servir ao próximo, tudo que está servindo eu vejo Deus, essa é a ideia, servir”, conta.  

O NÚCLEO

Na varanda da casa simples, acontecem aulas de judô e violão para todas as idades, às segundas, quartas, sextas e sábados. Há também cortes de cabelo para a criançada da comunidade.  

Aos sábados, tem banho para moradores em situação de rua, corte de cabelo e almoço grátis. “Por conta da pandemia, muitas pessoas não têm como higienizar nem as mãos e aqui elas podem até tomar banho e vestir roupa limpa”, conta Chris. 

 
 

Outra ação sem ajuda governamental é o projeto Águia que distribui refeições aos moradores em situação de rua. Com oito voluntários, o projeto liderado pela pastora Shirley Aguiar atua há quase 10 anos ajudando  as pessoas nas ruas com alimento e uma palavra de esperança.  

O projeto começou no estacionamento do Mercadão Municipal em 2010. Em todas as sextas, eram servidos pratos de comida as pessoas necessitadas que além de comer, conversavam e trocavam experiências com os voluntários.  

No entanto, a ação sofreu mudanças devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus e para não haver aglomerações, o jantar agora é preparado todas as  sextas-feiras pela própria pastora e dois voluntários do projeto distribuem as marmitas para as pessoas nas ruas e debaixo das pontes até que os trabalhos voltem ao normal pós pandemia.

“Para nós não é interessante só entregar marmitas, porque esse trabalho que a gente faz, queremos ter esse contato pessoal com eles, estar ali, colocar a comida no prato, jantar junto com eles, escutar, aqueles que querem ajuda e estão na dependência química, a gente encaminha, o fato de dar apenas um prato de comida é muito frio e o intuito não é esse”, conta.  

DOAÇÃO

Para continuar vivos durante a pandemia, os projetos precisam de doações para continuar.  

O projeto Núcleo Comunitário precisa de doação financeira para a expansão da casa onde acontece as aulas e demais atividades que também funcionarão no local e também alimentos não perecíveis, já que as mães dos alunos carentes recebem cesta básica. Quem se disponibilizar em ajudar pode doar qualquer valor em depósito bancário na Agência 4421-0, Conta 27656-1 pelo CPF 06011916171 ou pode entrar em contato pelo  Instagram @nucleocomunitarionhanha.  

Núcleo Comunitário Nhanhá está localizado na rua do Comércio Nº149, no bairro Nhanhá, região sul de Campo Grande.  

O projeto Águia também funciona com doações. Para doar, basta entrar em contato pelo telefone (67) 99209-1920, pela página do Facebook Shirley Aguiar ou através de depósito bancário (Agência 1108, Conta Corrente 00066966-2, Operação 013 - Caixa Econômica Federal) ou (Agência 3496-7, Conta Corrente 11072-8- Banco do Brasil).  

 

 

*Com informações do portal TonoGospel

 

Felpuda


Embora embalada por vários “ex”, pré-candidatura a prefeito de esforçada figura não deslancha. É claro que ninguém ousa falar em voz alta que o apoio, em vez de alavancar os índices com o eleitorado, está é puxando para baixo. Uns dizem que o título do filme “Eu Sei O Que Vocês Fizeram no Verão Passado” retrata bem a situação. Outros complementam: “... na primavera, no outono, no inverno...”. Como diria vovó: “Aqui você planta, aqui você colhe!”.